A montra da ilusão

Paula Freire, opinião
   Pub   
   Pub   

Viu-se menina, num mundo imaginário, onde todas as formas tinham cor.
Mas a vida, é somente uma maneira frágil de existirmos. E os sonhos, o nosso coração à deriva a espreitar desejos esquecidos pelo mundo…

A montra da ilusão
encantou os olhos da menina!

A boneca de cera que sorria
derreteu-se nos olhos da menina,
o comboio de papel que corria
fugiu dos olhos da menina,
o cavalo de madeira que galopava
perdeu-se nos olhos da menina,
o vestido de cristais que brilhava
apagou-se nos olhos da menina.
E a menina, olhou os sorrisos de outras crianças
que levaram a sua montra da ilusão perdida.
E olhou as suas mãos
cheias de vazio e de nada…
E gritou:
“Ninguém quis oferecer-me
os meus sonhos de menina!”

A montra da ilusão
encantou os olhos da mocinha!

O livro de História que se abria
fechou-se nos olhos da mocinha,
a casa da aldeia que habitava
longe ficou dos olhos da mocinha,
a terra onde nasceu e onde morava
afogou-se no mar dos olhos da mocinha.
E a mocinha, olhou outras raparigas
que viviam dentro da sua montra da ilusão.
E olhou em seu redor
para o silêncio amargurado…
E falou:
“Ninguém soube oferecer-me
os meus sonhos de mocinha.”

 Pub 
 Pub 

A montra da ilusãoA montra da ilusão
encantou os olhos da mulher!

O país onde feliz ela sonhava
explodiu nos olhos da mulher,
o sorriso dos pais que adorava
morreu nos olhos da mulher,
a luz da madrugada que se avizinhava
escureceu nos olhos da mulher,
os ideais para os filhos que tanto amava
saltaram dos olhos da mulher.
E a mulher, olhou o céu sagrado por cima de si,
com duas lágrimas de sal e poeira.
Desaparecera a sua montra da ilusão.
E apenas murmurou:
“Ninguém conseguiu viver
os meus sonhos de mulher…”


A articulista actua como Colaboradora do Portal Elvasnews e o texto acima expressa somente o ponto de vista da autora, sendo o conteúdo de sua total responsabilidade.

Artigo anterior100% DJ | Projecto estremocense volta a distinguir o talento nacional
Próximo artigoEnsino Superior | Em quatro cursos só entraram alunos com mais de 19 valores na 2ª fase
Paula Freire
Natural de Lourenço Marques, Moçambique, reside actualmente em Vila Nova de Gaia. Com formação académica em Psicologia e especialização em Psicoterapia, dedicou vários anos do seu percurso profissional à formação de adultos, nas áreas das Relações Humanas e do Autoconhecimento, bem como à prática de clínica privada. Filha de gentes e terras alentejanas por parte materna, desde muito cedo desenvolveu o gosto pela leitura e pela escrita, onde se descobre nas vivências sugeridas pelos olhares daqueles com quem se cruza nos caminhos da vida, e onde se arrisca a descobrir mistérios escondidos e silenciosas confissões. Um manancial de emoções e sentimentos tão humanos, que lhe foram permitindo colaborar em meios de comunicação da imprensa local com publicações de textos, crónicas e poesias. O desenho foi sempre outra das suas paixões, sendo autora de imagens de capa de obras poéticas lançadas pela Editora Imagem e Publicações em 2021. Nos últimos anos, descobriu-se também no seu ‘amor’ pela arte da fotografia onde aprecia retratar, em particular, a beleza feminina e a dimensão artística dos elementos da natureza.