Paula Freire, opinião
   Publicidade   
   Publicidade   

Em cada noite lenta de sombras e espetros vazios, ele regressava a esses lugares de onde nunca conseguira partir. Vagueava ao acaso pelo norte dos caminhos perdidos, pela cidade poluída caída em desuso, pela tristeza e pelos vazios das vielas sem rumo. E num voo noturno, construía-se humano disfarçado com asas de esperança.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Era apenas assim que acreditava merecer a vida.

Por entre a misteriosa ponte de nevoeiro e agarrado aos pincéis em bruto da alma, pincelava a fé escondida dos homens quando parecia não haver mais nada… Letras soltas de aromas e silêncio: assim ele sabia construírem-se as palavras onde cabem todos os mistérios da vida.

A PromessaEra aí, abraçado à leveza de um branco alvo que acolhe, que se preparava para nos fazer renascer no azul distante dessa imensidão que desejamos próxima. E num rosa sorriso de afetos revelados, transbordava a essência do vermelho coração, absorvendo-nos no verde futuro de uma outra dimensão.

E assim explodia no brilho dourado que emanava, a gratidão serena daqueles que, entre todos, o aceitavam.

Souberam depois que, nesses dias, ele se demorava sempre no limiar da luz confundida entre a noite e o dia, ao encontro de uma madrugada sem tempo, a tornar única esta sua promessa sem opções.

Ficou conhecido na cidade e no mundo: o ‘Pintor de Emoções’.

Artigo anteriorCovid-19 | Portugal com 15 mortes e 2.552 novos casos nas últimas 24 horas
Próximo artigoCovid-19 | Portugal com 14 mortes e 2.370 novos casos nas últimas 24 horas
Natural de Lourenço Marques, Moçambique, reside actualmente em Vila Nova de Gaia. Com formação académica em Psicologia e especialização em Psicoterapia, dedicou vários anos do seu percurso profissional à formação de adultos, nas áreas das Relações Humanas e do Autoconhecimento, bem como à prática de clínica privada. Filha de gentes e terras alentejanas por parte materna, desde muito cedo desenvolveu o gosto pela leitura e pela escrita, onde se descobre nas vivências sugeridas pelos olhares daqueles com quem se cruza nos caminhos da vida, e onde se arrisca a descobrir mistérios escondidos e silenciosas confissões. Um manancial de emoções e sentimentos tão humanos, que lhe foram permitindo colaborar em meios de comunicação da imprensa local com publicações de textos, crónicas e poesias. O desenho foi sempre outra das suas paixões, sendo autora de imagens de capa de obras poéticas lançadas pela Editora Imagem e Publicações em 2021. Nos últimos anos, descobriu-se também no seu ‘amor’ pela arte da fotografia onde aprecia retratar, em particular, a beleza feminina e a dimensão artística dos elementos da natureza.