Adolescente que fui

©João Carvalho
   Pub   
   Pub   
   Pub   

É oficial e triste…
A adolescente que fui jaz morta a teu lado.
Morreu de desgosto, de desilusão, acreditava que os primeiros amores eram eternos,
Nos teus braços chorei o primeiro desgosto de amor,
Ao som da tua voz que pulei noites inteiras numa qualquer discoteca na esperança de que me acordasses antes de ires…
Acreditei nas tuas palavras quando lembravas ao Mundo que era Natal e que havia gente a sofrer atrocidades,
Seduzi e fui seduzida ao dom de alguém que declarada de forma despudorada que queria o meu sexo…
E alcancei a liberdade em muitas noites de loucura, mas hoje, tu deixaste o sol partir, deixaste-o pôr-se sem tempo de te dizer sequer até breve e recebi a notícia como um uma faca que se espeta no coração e nas minhas memórias… É o oficial a adolescente que fui morreu, que descanse em paz a teu lado…

Até sempre…

Texto: AAdolfo

 Pub 
 Pub 
 Pub