Alentejo meu amor
   Publicidade   
   Publicidade   

Opinião de Graça AmiguinhoO ar quente que respiro, os doces odores que pairam no ar, são o bálsamo que me inebria e me ajuda a recuperar as energias gastas, a melhor entender as esperanças perdidas e a mitigar a saudade de um tempo que nunca mais será igual.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Alentejo é a minha alma liberta e leve como a ave que voa, sem se preocupar com o ramo onde vai pousar.

No Alentejo, sinto que tudo em mim se transforma, todo o meu sentir tem mais emoção, o meu coração nele encontra a tranquilidade que tantas vezes parece perdida.

Aqui revivo os mais belos tempos da minha juventude, o tempo dos encantos sem mácula, o tempo das ilusões maiores que a imensidão da planície que os meus olhos alcançavam, o tempo dos sonhos com novas aventuras, em lugares de mar e areia.

Ao Alentejo tenho voltado nos últimos anos, com a nobre missão de divulgar a cultura que o tempo em mim tem feito desabrochar e crescer, com a doçura e a ternura dos lírios do campo ou o fogo das papoilas vermelhas que sempre foram meu encanto.

Em 2015 aqui vim divulgar o meu primeiro livro de poesia, publicado já em 2005, ressurgido inesperadamente dos escombros de uma papelaria falida, “O meu sentir” e que muito agradou à minha gente.

Em 2018 voltei com o 2º livro de poesia, um canto de amor ao meu Alentejo, à minha terra, à minha gente, “Alma Alentejana”, igualmente recebido com um grande entusiasmo tanto na minha Aldeia, como na cidade de Elvas ou na vila de Barbacena, lugares com os quais me identifico e onde criei fortes laços de amizade até à minha partida para o Porto.

“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo , a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho
“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo, a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho

Em Janeiro de 2019 uma nova aventura inicio com grande sucesso! Reuni à minha volta 40 autores com diferentes aptidões, desde a prosa à poesia, do desenho à fotografia e eis que surge, linda e fresca, a Colectânea “Elvas à Vista”, recebida com um entusiasmo muito especial por todos os que amam a Cultura, no Cine Teatro de Elvas!

Ainda em 2019, uma nova obra literária, num âmbito mais alargado, tomo nas minhas mãos e a mim se juntam 69 autores oriundos das 3 cidades fronteiriças, Badajoz, Elvas, Campo Maior. Mais uma Colectânea que nos encheu de alegria e estreitou os laços de amizade das suas gentes, gerada durante um período muito conturbado da minha vida, mas sempre incentivada pelo meu companheiro de sempre, que muito admirava a minha força de criar algo diferente, inovador, dando a cada obra a minha melhor colaboração, incentivando novos e potenciais autores a participar e a sentirem a alegria de contribuírem para a valorização da literatura e das artes do nosso Alentejo. Esta obra foi apresentada em Santa Eulália, tendo o apoio da Junta de Freguesia na cedência das instalações.

Em 2020, debaixo de uma tristeza incomensurável, devido à solidão provocada pela perca do amor de toda a minha existência, não baixo os braços e procuro aliviar a minha dor, através da escrita poética, fazendo das palavras e da música o único conforto no vazio que me restou.

Em 2 de Fevereiro último é lançado o meu livro com 92 poemas, ao qual dei o título “Não te disse Adeus” em homenagem ao meu amado. Devido à pandemia que nos invadiu sem tréguas, só este mês foi possível trazer essa obra ao meu cantinho Alentejano. Foi apresentado em Santa Eulália, no salão Paroquial, que agradeço ao Pároco Reverendo António Carlos, em Elvas, na Biblioteca Municipal, sob a direcção da Sra Dra Tânia Morais Rico que gentilmente, acompanhou a sessão e Campo Maior, tendo escolhido esta última cidade por lá estar ao serviço da Igreja, o sacerdote que abençoou o nosso matrimónio, o Sr.. Cónego Francisco Bento e que conheci nos anos 67/69 em Barbacena, onde leccionei. O Prefácio desta obra foi da autoria do meu sobrinho António Rodrigues a quem agradeço todo o carinho das suas palavras e a riqueza do seu discurso.

A par desta divulgação da minha obra individual, trouxe também uma obra gigantesca, a Colectânea Raia Luso Espanhola que organizei com 63 autores, portugueses e espanhóis, naturais da Extremadura, da Galiza e das Astúrias.

Esta bela obra literária e artística foi dignamente apresentada, uma vez mais, na terra que me viu nascer, a minha Santa Eulália. Muito agradeço à Junta de Freguesia, na pessoa do seu Presidente, Adriano Carlos que se prontificou a colaborar activamente, para que todas as regras de higiene e segurança fossem respeitadas. O Prefácio desta Colectânea ficou a cargo do Professor Moisés Cayetano Rosado, de Badajoz. Como complemento desta iniciativa fizemos uma visita guiada por Moisés Cayetano Rosado, ao Forte da Graça e de seguida houve uma linda festa com exibição de vídeo de autores, poemas de autores musicados por mim, com arranjos do grande músico Nuno Cirilo e a voz da magnífica cantora Berta Miranda.

Tivemos a honra da presença do senhor Vereador Sérgio Ventura, em representação do Município Elvense, tanto no Lançamento da Colectânea, como na Apresentação do meu livro, na Biblioteca, “Não te disse Adeus”, a quem agradeço as amáveis palavras que tocaram o meu coração.

Apenas mais uma referência da minha passagem desta semana no Alentejo! Gravei com a empresa Perspectiva, um vídeo sobre o meu livro “Não te disse Adeus”, no mítico Jardim das Laranjeiras, em Elvas, um lugar que tem um cantinho muito especial, guardado no meu sentimental coração.

Até sempre, meu amado Alentejo!