Início Política Autárquicas 2017 Autárquicas 2017: “Gestão da água é a grande preocupação” dos agricultores elvenses

Autárquicas 2017: “Gestão da água é a grande preocupação” dos agricultores elvenses

COMPARTILHE
   Publicidade   

A candidatura do Partido Socialista (PS) elvense reuniu segunda-feira, 21 de Agosto, com representantes do sector agrícola, procurando aferir as dificuldades por estes sentidas para, de forma conjunta, as resolver.

Após a reunião o candidato à Câmara Municipal de Elvas, Nuno Mocinha, falou aos jornalistas resumindo o que de mais relevante foi abordado. Desde logo lembrou que muitas das preocupações “passam por decisões que não cabem” à Câmara Municipal mas sim “a instâncias superiores – CCDR, ministérios da Agricultura Ambiente – e a maior preocupação prende-se com “a gestão da água”.

A gestão dos “perímetros públicos e os privados” de rega é, referiu o cabeça de lista, a grande preocupação sentida e manifestada pelos agricultores elvenses. Nuno Mocinha salientou ser “urgente adaptar-se os nossos perímetros de rega, é urgente adaptá-los não só a maior eficiência na distribuição mas também às novas culturas emergentes” que estão a decorrer e completou “que são o nosso futuro”.

O impacto das alterações climáticas também foi tema abordado o candidato diz ainda e “em tempo devemos tomar todas as medidas que sejam possíveis” para minimizar os “impactos negativos que essas alterações poderão provocar”.

Nuno Mocinha alertou para o problema do “nosso perímetro de rega” o qual “perde oito a nove milhões de metros cúbicos de água por ano”. Como solução o candidato aponta a obra feita num dos canais de rega, obra que “poderia ser replicada pelos restantes oito canais” para assim se poder fazer “uma gestão melhorada das perdas de água”. Assim, seria possível “ter um controlo maior sobre o nosso espelho de água” o qual “por evaporação da água – dadas as altas temperaturas – perde uma quantidade de água substancial”, disse. Agora o que é necessário é “trabalharmos todos, em conjunto”, para que as intervenções nos restantes oito canais continuem, completou o cabeça de lista do PS elvense.

O candidato referiu em conclusão ser este “um objectivo muito ambicioso” pois “não é um problema de hoje, “é um problema que existe desde que foram feitos os canais”. Referiu ainda que “à medida que as alterações climáticas vão provocando períodos de seca mais prolongados” o problema “agudiza-se” e “não se pode dizer que uma Câmara Municipal nada tem a ver com isso, não é a Câmara Municipal que faz a gestão dos perímetros privados nem dos públicos mas uma Câmara Municipal deve trabalhar, em conjunto, com todas as entidades para minimizar um problema que é de todos”.

   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade