Início Política Autárquicas 2017 Autárquicas 2017: PS entregou listas no Tribunal

Autárquicas 2017: PS entregou listas no Tribunal

COMPARTILHE
   Publicidade   

O Partido Socialista de Elvas entregou esta quinta-feira, 27 de Julho, no Tribunal Judicial da Comarca de Elvas, as suas listas às Eleições Autárquicas que decorrem no próximo dia 1 de Outubro.

Abaixo transcrevemos, na íntegra, o comunicado acabado de chegar à nossa redacção.

O Partido Socialista de Elvas entregou na manhã desta quinta-feira, 27 de julho, as listas às eleições Autárquicas de 1 de outubro de 2017, encabeçada pelo atual presidente da Câmara Municipal de Elvas, Nuno Mocinha.

A entrega, no Tribunal de Elvas, contou com a presença dos cabeças de lista aos diferentes órgãos autárquicos assim como do mandatário da candidatura, Joaquim Real Mendes, dando assim concluído o processo de candidatura.

Joaquim Real Mendes explica que aceitou o convite para “este cargo pois seria pouco sério da minha parte manifestar-lhe o meu apoio em privado e depois não ser capaz de o assumir publicamente. Porque o Nuno e os candidatos que constituem esta lista são merecedores do nosso apoio”, salientando que o cabeça de lista “merece o nosso apoio quer pelas qualidades que tem evidenciado ao longo da sua vida, quer pelo seu percurso biográfico em geral e, particularmente, pelo seu desempenho político enquanto presidente deste município”.

O mandatário referiu algumas das suas qualidades: “a honestidade do seu comportamento enquanto pessoa e como gestor do bem público; a sua dedicação e da perseverança que manifesta na resolução dos mais diversos problemas; o seu espírito de solidariedade para com os mais necessitados que o rodeiam; o orgulho nas suas origens que fazem dele um homem de carácter nobre; a sua capacidade de trabalho e do modo como se empenha na realização e concretização dos seus projetos”.

Joaquim Real Mendes referiu ainda as dificuldades deste mandato, que se traduziu por um “período de estagnação económica, com a inevitável diminuição de receitas da autarquia, a crise social que caraterizou os primeiros anos do seu mandato, cujos reflexos ainda hoje se verificam (mas felizmente atenuados pelo exemplar desempenho do atual governo), e a cisão nas estruturas locais do PS, com todo o desgaste que isso implicou, criaram-lhe dificuldades acrescidas que tem conseguido superar, não só dando resposta às situações de maior necessidade nos diferentes domínios da gestão municipal, como ainda investindo no desenvolvimento do concelho, sem hipotecar o seu futuro”.

“O Nuno, pelo que já evidenciou em termos de liderança, de capacidade de gestão, merece pois o prémio e a oportunidade de poder desempenhar agora as funções de Presidente dos elvenses, num período de crescimento económico que o país e o concelho já estão a atravessar e cujos efeitos mais notórios serão evidentes nos próximos tempos. Se teve sucesso em período de crise, maior êxito terá em momento muito mais favorável ao seu desempenho”, salientou o mandatário.

Sobre as listas, composta por 190 pessoas, conta com jovens e menos jovens, homens e mulheres, juventude e experiência que “são o garante do futuro de sucesso do nosso concelho. Permitam-me de facto realçar o grande número de jovens que fazem parte desta lista pois isto é a prova evidente do seu interesse pela causa pública, de que, afinal, a alienação da juventude não passa de um preconceito e de que o futuro da democracia e do funcionamento das suas instituições, num momento em que, internacionalmente, os populismos e os nacionalismos exacerbados estão a assumir níveis preocupantes, terá sempre quem por elas se bata”. Acrescentando ser “um grupo coeso e, ao mesmo tempo, tão heterogéneo, em termos etários e de género. Como é óbvio, tal só é possível porque há algo em comum que nos une, o desenvolvimento de Elvas, e um nome consensual que nos lidera, Nuno Mocinha. Partimos para estas eleições imbuídos do espírito democrático. Elvas merece, os elvenses merecem uma campanha eleitoral pautada pelo respeito e pela elevação. Que sejamos também nesse domínio vencedores. Que sejamos exemplo de civismo e urbanidade”.

Deixa ainda um apelo para que “ao insulto torpe e gratuito, ao boato anónimo e cobarde, às melodiosas promessas que nunca serão cumpridas, às insinuantes meias verdades que para os mais incautos chegam a ser verdades absolutas, saibamos responder com frontalidade serena, com transparência esclarecedora, com a força dos que sabem que a razão está do seu lado. Só assim conseguiremos vencer estas eleições. Só assim Elvas terá o presidente que merece, Nuno Mocinha”, concluiu Joaquim Real Mendes.

   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade