Gota 'Arte
   Publicidade   
   Publicidade   

Depois de um interregno na década de noventa, Elvas, que sempre teve uma forte tradição carnavalesca, recuperou os seus corsos.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

À data, em virtude de ter assumido um caráter “internacional”, à espreita de algumas verbas que a União Europeia teria para eventos desta natureza, manteve os nossos carros alegóricos e adotou as comparsas, os sons e as coreografias do afamado e experimentado carnaval da cidade vizinha de Badajoz.

Nuno Franco Pires
Nuno Franco Pires, escritor

Resultou, apesar de, sendo a cópia sempre pior que o original, se sentirem as diferenças dos grupos elvenses em início de carreira.

O carnaval trapalhão, a nossa essência, foi sobrevivendo com a participação dos habituais carnavaleiros: a Clotilde “Galinhas”, o Ruca, o João Tenreiro ou o grupo “Sou filho único”. A paixão que nutrem pelo carnaval tem-no mantido vivo.

Volvidos vinte anos, e graças à perseverança e espírito criativo de grupos como a Gota d’Arte, Isekais, etc, o carnaval de Elvas está em transformação e ganha nova identidade.

Rui Choças, Ruca

As coreografias repetidas à exaustão por terras de Badajoz, os fatos exuberantes e de uma composição abstrata, vão-se moldando ao que é nosso, ao registo mais elvense e, possivelmente, mais do agrado da maioria do público que assiste.

Particularmente gostei dos desfiles deste ano, principalmente por se sentir mais garra e alegria nos grupos que se apresentaram.

Se me pedissem para destacar os pontos fortes e fracos da edição deste ano, apontaria os seguintes.

Enquanto pontos fortes, e sem querer desmerecer ninguém, destacaria a alegria contagiante a que a Gota d’Arte já nos habituou, mas também a criatividade da Sociedade 1º de Dezembro (a nossa Azevia) com as suas toureiras e a animação que os tropas de Santa Eulália trouxeram ao Centro Histórico.

João Tenreiro

Destaco ainda a organização do cortejo do primeiro dia. Testados vários formatos, intercalar as comparsas de Badajoz e os grupos de Elvas parece a melhor solução, até porque os nossos grupos têm já a qualidade suficiente para ombrear com os vizinhos.

Pela negativa sublinharia o tempo excessivo de algumas coreografias que comprometem a dinâmica do desfile e se tornam penosas para quem assiste mas também a ausência de um séquito no carro “real”. O Diogo esforçou-se por dançar, pular e justificar o investimento que o município fez nele mas, sem música e sem corte, o seu reinado viu-se prejudicado.

Diogo Semedo, Rei do Carnaval

Não entro em polémicas sobre a escolha do jovem elvense para figura máxima do carnaval deste ano. Parece-me uma boa opção e nada tenho a opor. Há lugar para todos, este foi o ano do Diogo que devido à sua participação num reality show se deu a conhecer na cidade que, apesar de ter sido campeão de atletismo, ainda não o tinha sabido valorizar. Santos de casa não costumam fazer milagres.

Mas a procissão ainda vai a meio. A noite de hoje promete gala coreográfica e amanhã, se a meteorologia o permitir, trará novo desfile às ruas do centro histórico.

É impossível agradar a gregos e a troianos mas o balanço parece-me francamente positivo.

Palavras leva-as o vento.

Gota d’Arte
Artigo anteriorCoaching: A Linguagem do Líder
Próximo artigoElvas: Coliseu recebe coreografias de Carnaval e muita música
Nuno Franco Pires, nasceu em Elvas em 1975 e é um alentejano orgulhoso das suas raízes. Gosta de escrever – sempre gostou. Começou por pequenas histórias, onde os amigos de infância eram os protagonistas, passando pelo blog Dualidades (asdualidades.blogspot.com) do qual foi coautor e onde abordava temas que marcavam a actualidade. Cativam-no as relações humanas e a interacção entre as pessoas; é sobre elas que escreve. Tem participado e vários concursos literários tendo ganho uma menção honrosa no prémio Glória Marreiros, organizado pela Câmara Municipal de Portimão, com a novela "Amor entre muralhas" escrita em parceria. Participou na colectânea "Ei-los que partem" da editora Papel d' Arroz e com a chancela da Chiado Editora editou o seu primeiro romance, "Searas ao vento". Colaborou com a TV Guadiana, publicando semanalmente, pequenas histórias da sua autoria e incorpora o painel de tertulianos da rúbrica "Conversas de Barbearia" do blog Três Paixões.