Publicidade   
   Publicidade   

Soam pela calada da noite, apesar do frio e da geada próprias deste tempo, lindas vozes que procuram manter bem vivas as tradições que os nossos antepassados, religiosamente, nos transmitiram.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Nesta minha análise quero debruçar-me sobre o que melhor conheço, o nosso Alentejo, as nossas gentes, embora procurando relacionar o que somos com os povos que nos rodeiam ou com os que, mesmo do outro lado do oceano, falam a nossa língua e acolheram com amor as nossas tradições levadas há séculos pelos nossos navegadores, colonos e missionários.

O Cante Tradicional Alentejano é por muitos conhecido dada a sua grande riqueza polifónica e o seu vasto Cancioneiro. De grande importância histórica e cultural nele se realçam os «Cânticos Litúrgicos» e da «Tradição Popular» que celebram a quadra Natalícia.

O cantar das «Janeiras» é uma tradição bem portuguesa. De norte a sul do país, grupos de pessoas se reúnem cantando. Vão de porta em porta, anunciando o nascimento de Jesus, desejando um feliz Ano Novo e pedindo os «restos» das festas natalícias.

Este Cantar das Janeiras ocorre a partir do dia 1 de Janeiro, até dia 6. Nas cidades há grupos que prolongam esta prática durante todo o mês.

Cantam, geralmente, acompanhados de instrumentos folclóricos tais como: pandeiretas, bombo, acordeão, ferrinhos e viola. Ao terminarem a canção esperam que o dono da casa lhes traga as «janeiras» que, segundo a tradição, são castanhas, nozes, maçãs, chouriço, morcela, vinho, pão, produtos que no final da noite são comidos por todos em grande animação!

As músicas cantadas são do conhecimento de todos, simples quadras populares que louvam Jesus, Maria, José e os moradores que os presenteiam.

Aqui temos um exemplo da alegria que mobiliza o nosso povo!

O cantar das Janeiras na Terrugem, concelho de Elvas.

Aproxima-se o Dia de Reis. Segundo a tradição Cristã seria o dia em que o Menino Deus, recém-nascido, terá recebido a visita de Três Magos vindos do Oriente, estudiosos dos astros que viram no firmamento uma estrela diferente a qual, segundo os escritos antigos, apareceria quando na Terra tivesse nascido o Salvador prometido nas Sagradas Escrituras. E, seguindo-a, O encontraram.

A noite do dia cinco de Janeiro e a madrugada do Dia Reis é conhecida como Noite de Reis. Esta data marca para os católicos a veneração aos Reis Magos que a tradição surgida no séc. XVIII converteu em santos, Melchior, Gaspar e Baltazar.

Nesta data encerram-se os festejos natalícios: desarmam-se os presépios e retiram-se todos os enfeites alusivos a esta quadra.

Faz parte integrante desta festa de Reis o fabrico, tanto em Portugal como em Espanha, França, Canadá e Brasil, do famoso «Bolo Rei». Bolo recheado de frutos secos e coloridos, costumava ter uma «fava» e um « brinde». A pessoa que encontrasse a fava na sua fatia teria que comprar o bolo no ano seguinte.

Associado a esta festividade está o «Canto dos Reis » ou «Reisadas» que, tal como as “Janeiras”, é cantado de porta em porta, começando, quase sempre por esta invocação “Ó da casa/ nobre gente/escutai e ouvireis / da parte do oriente / são chegados os tês Reis!”

Existem documentos onde podemos ver que no Cantar dos Reis de 1882 soavam instrumentos como a “zabumba” ou “ronca”, ferrinhos, gaitas de foles exclusivas do carrejões da Galiza.

São estas as músicas tradicionais do Alto Alentejo – Elvas e Évora, as mais cantadas nestas andanças pelos grupos de cantadores :

  • Como estais tão galantino. (O Menino está deitado ) séc. XVIII e XIX – Elvas;
  • Eu hei-de dar ao Menino – séc. XVIII – Não façam bulha ao Deus Menino -séc. XVIII – Natal de Évora;
  • Eu hei-de m´ir ao presépio – Natal de Elvas – séc. XIX e XX;
  • Loa Alentejana – Natal de Évora, séc. XVIII;
  • Menino Jesus que é da vossa camisinha – Alentejo (1939);
  • O Menino está dormindo – Natal de Évora , séc. XVIII e XIX;
  • Olhei para o céu – Natal de Elvas;
  • Eu hei-de dar ao Menino -Natal de Elvas, séc. XVIII;
  • Pela Noite de Natal – Alentejo e Beira Baixa, séc. XVI;
  • Entrai, entrai pastorinhos;
  • Quem são os três cavaleiros?;
  • Das partes do Oriente;
  • Partiram nos três Reis Magos.

E, para terminar, apesar de muito mais haver para contar, aqui fica o registo do Cantar aos Reis em Barbacena, também no concelho de Elvas.

A todos desejo um bom Dia de Reis!