Hidrogénio
   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

“Portugal e o Alentejo apresentam condições muito favoráveis para a instalação de uma indústria de produção de hidrogénio verde com potencial exportador que será igualmente um catalisador de toda uma nova economia associada ao hidrogénio”, referiu o Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA), Roberto Pereira Grilo no decorrer da sessão.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Roberto Pereira Grilo referiu ainda no decorrer das Jornadas que “uma das vertentes de afirmação competitiva do Alentejo “assenta na qualidade ambiental e na importância da preservação do ambiente em estreita harmonia com as actividades produtivas da Região” entre as quais destacou aspectos como a circularidade, a bio economia sustentável e a aposta nas energias limpas, vectores que constituem “a Estratégica de Desenvolvimento Alentejo 2030 e Estratégia Regional de Especialização Inteligente do Alentejo no horizonte 2030”

Este Encontro virtual “O hidrogénio, vector energético de desenvolvimento Socioeconómico do Sudoeste Ibérico” reuniu à volta da mesa diversos especialistas e agentes sociais e económicos relacionados com Sistemas de Interesses sobre a utilização do Hidrogénio. Contou com a participação, entre outros,  de  Roberto Pereira Grilo, Presidente da CCDRA; Guilherme Fernández Vara, Presidente da Junta da Extremadura; Beatriz Yordi Aguirre, Directora de Mercados de Carbono na Europa e Internacionais da DG CLIMA; Antonio García Salas, Coordenador Sudoeste Ibérico em Rede; Victor Dordio, Director-Geral da  ADRAL;   Paulo Brito, Professor Instituto Politécnico de Portalegre e Jesús Alonso Sánchez, Secretário Geral de Ciencia, Tecnología, Innovación y Universidad da Junta de Extremadura.

Na sua intervenção, Roberto Pereira Grilo expressou  ainda que, no que diz respeito ao Alentejo e neste contexto “os activos estratégicos regionais incluem a Área portuária, industrial e logística de Sines, que prossegue uma trajectória de investimento em que se destacam novos projectos portuários (expansão do terminal XXI e novo terminal Vasco da Gama), e um pólo de produção de gases renováveis, como o hidrogénio verde, com recurso à energia fotovoltaica”.

 A estratégia regional de especialização inteligente do Alentejo,  disse: “propõe como um dos domínios de especialização a Energia e Mobilidade sustentáveis.

 Este domínio compreende as múltiplas frentes da descarbonização da economia (em conformidade com os objectivos do Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050, vertidos no projecto de Plano Nacional Energia e Clima apresentado por Portugal à Comissão Europeia), dos novos investimentos no solar/fotovoltaico e no hidrogénio verde e da eficiência energética, também em matéria de comunidades energéticas, relativamente às quais legislação recente permite produção colectiva e regras para incorporação dos excedentes na rede”.