Censos2021 | Desequilíbrio na distribuição populacional pelo território acentuou-se

Portalegre, com uma queda de -10,4%, é a capital de distrito que mais perdeu população nos dez anos considerados.

Censos-2021-populção
   Pub   
   Pub   

O desequilíbrio na distribuição da população pelo território português acentuou-se entre 2011 e 2021, com perda de habitantes no interior e a concentração em torno de Lisboa e no Algarve, segundo os resultados definitivos dos Censos, hoje divulgados.

De acordo com as conclusões dos Censos de 2021, revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), Portugal perdeu 2,1% da população entre 2011 e 2021, para 10.343.066 no dia 19 de Abril de 2021, invertendo a tendência de crescimento registada nas últimas décadas.

A densidade populacional do país é de 112,2 habitantes por quilómetro quadrado (km2), mas acentuaram-se “os desequilíbrios na distribuição da população pelo território”, com “um notório contraste entre os municípios localizados na faixa litoral do continente e os localizados no interior”, destaca o INE.

 Pub 
 Pub 

“O padrão de litoralização do país e de concentração da população junto da capital foi reforçado na última década. Cerca de 20% da população do país concentra-se nos sete municípios mais populosos, que abrange uma área de apenas 1,1% do território. No outro extremo, representando também cerca de 20% da população, temos os 208 municípios menos povoados e que ocupam 65,8% da área do país”, descreve o INE.

Os resultados definitivos dos Censos de 2021 mantêm a tendência já revelada aquando da divulgação dos dados preliminares pelo INE, muitas vezes apenas com diferenças de uma décima.

Na Região Autónoma dos Açores, as ilhas de São Miguel e da Terceira registam o maior valor de densidade populacional, enquanto na Região Autónoma da Madeira é na parte sul da ilha da Madeira que se verifica a maior densidade.

Em termos regionais, o Algarve (3,6%) e a Área Metropolitana de Lisboa (1,7%) foram as únicas regiões NUTS II (nomenclatura de unidade territorial para fins estatísticos) que registaram um crescimento da população.

A Área Metropolitana de Lisboa tem mais 48.332 habitantes do que há dez anos (para um total de 2.870.208) e apenas quatro dos 18 municípios da região perderam população: Amadora (-2,1%), Lisboa (-1,2%), Barreiro (-0,53%) e Oeiras (-0,27%).

A população cresceu em 14 dos 18 municípios que integram a AML nestes dez anos, com os maiores aumentos a registarem-se em Mafra (+12,8%), Palmela (+9,6%), Alcochete (+8,9%) e Montijo (+8,7%).

As restantes regiões viram decrescer o seu efectivo populacional, com o Alentejo (-7,0%) e a Região Autónoma da Madeira (-6,4%) a registarem as descidas mais significativas.

Considerando os 10 municípios mais populosos, e além de Lisboa e de Oeiras, também o Porto perdeu -2,4% da população e Matosinhos -1,7%.

Os restantes seis municípios mais populosos – Sintra, Vila Nova de Gaia, Cascais, Loures, Braga e Almada – registaram crescimentos populacionais, com destaque para Braga, que registou o crescimento mais elevado, de 6,5%.

No Alentejo, Portalegre, com uma queda de -10,4%, é a capital de distrito que mais perdeu população nos dez anos considerados.

Os municípios dos territórios do interior do país perderam população e os que registaram um crescimento populacional situam-se predominantemente no litoral, com uma concentração em torno de Lisboa e no Algarve.

Cerca de 50% da população residente em Portugal concentra-se em 31 dos 308 municípios, localizados maioritariamente nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto.

Os municípios que se destacam pelo maior acréscimo populacional são Odemira (13,3%), na região do Alentejo, e Mafra (12,8%), na Área Metropolitana de Lisboa.

Os que perdem mais população foram Barrancos (-21,6%), também no Alentejo, e Tabuaço (-20,7%), na região Norte.

A fase de recolha dos Censos 2021 decorreu entre 5 de Abril e 31 de Maio e os dados referem-se à data do momento censitário, dia 19 de Abril de 2021.