Início Ciência Cientistas portugueses ajudam a autenticar quadro de Gustav Klimt

Cientistas portugueses ajudam a autenticar quadro de Gustav Klimt

Uma equipa internacional de investigadores confirmou a autenticidade de “Trumpeting Putto”, um dos primeiros quadros do pintor austríaco Gustav Klimt que se julgava perdido.

COMPARTILHE
   Publicidade   
   Publicidade   

Após cinco anos de intensos estudos, uma equipa internacional de investigadores, inicialmente das universidades de Coimbra (UC), Hannover e Mainz (Alemanha) e Valladolid (Espanha), tendo-se juntado recentemente as universidades japonesas de Shizuoka, Tsukuba, Yokohama e Tokushima, atesta a autenticidade de “Trumpeting Putto”, um dos primeiros quadros do pintor austríaco Gustav Klimt que se julgava perdido, pondo fim a uma forte polémica em torno desta obra de arte.

Das várias provas obtidas pelos cientistas durante as extensas e complexas análises, destaca-se a descoberta de duas assinaturas autênticas do autor do famoso quadro “O Beijo”, escondidas na frente e verso da obra.

A discussão começou em 2012, quando o coleccionador Josef Renz adquiriu o quadro, que tinha sido encontrado numa garagem do Norte da Áustria. Na altura, peritos e historiadores de arte vieram a público questionar a autenticidade da obra, promovendo acesas discussões.

Perante a controvérsia, noticiada em vários órgãos de comunicação social de todo o mundo, foi decidido solicitar a intervenção de cientistas para esclarecer a autenticidade de “Trumpeting Putto”, obra que fez parte do teto do estúdio Klimt, em Viena, onde o pintor viveu com seu irmão Ernst entre 1883 e 1892. A obra desapareceu quando um elevador foi instalado no edifício e julgava-se que tinha sido destruída.

Benilde Costa, do Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), integra a equipa multidisciplinar responsável por estudar a obra.

Especialista em Espectroscopia de Mössbauer, a investigadora e docente aplicou esta técnica no estudo do quadro, utilizando um espectrómetro portátil cedido pela NASA. A Espectroscopia de Mössbauer, explica Benilde Costa, «permitiu identificar os pigmentos usados na pintura sem ser necessária a extracção de amostras da obra.»

O quadro, que foi completamente restaurado, vai ser apresentado amanhã, dia 4 de Abril, em Conferência de Imprensa a realizar às 10h30m (hora Local), no Museu Sprengel Hannover (Kurt-Schwitters-Platz). Por altura do centenário da morte de Gustav Klimt, os especialistas vão explicar todo o trabalho científico que permitiu esclarecer a autenticidade da obra que se pensava perdida.

O trabalho “Trumpeting Putto” é uma grande pintura circular com um diâmetro de cerca de 1,70 metros. Decifrada a sua autenticidade, os estudos prosseguem, agora com a colaboração das Polícias Criminais alemã e austríaca, dado tratar-se de um quadro extremamente valioso.

Cristina Pinto (Assessoria de Imprensa – Universidade de Coimbra)
Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva