Publicidade   
   Publicidade   

FWS – Flexible Workforce Solutions

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

“Sou Director Executivo de uma empresa, que não sendo minha, me entrego de corpo e alma como se o fosse, procurando sempre satisfazer os interesses dos investidores e administradores e orientando a minha acção sempre na procura de melhores estratégias e práticas para melhorar os resultados. Infelizmente as coisas nestes tempos tem corrido menos bem e os resultados não são os que a administração esperava. Assim, aguardo há 2 meses que a administração decida sobre o futuro da empresa e consequentemente o meu futuro. A reunião já esteve para ser várias vezes mas é sempre adiada e os dias passam e eu vou continuando a fazer o meu melhor e a fazer das tripas coração de um projecto que parece que só eu é que acredito.”

Este cenário, real para muitos dos gerentes de empresas por conta de outrem que vêem a sua liderança limitada e os seus futuros hipotecados à espera de reuniões de administração que se adiam e sobre as quais pouco importa especular sobre qual será o resultado. Será mesmo assim?

A liderança, na forma como a entendíamos no passado, remetia o papel exclusivamente para o dono, o chefe, o patrão. A liderança como é entendida hoje, é transversal e não obedece a papéis sociais e sim a um elevado estado de consciência e auto-conhecimento.

Cristina Leal Azinhal
Cristina Azinhal, Socióloga, especialista em gestão de talento

Ser um bom líder nos dias de hoje, é uma tarefa mais árdua, requer muito mais trabalho e acima de tudo, muita compreensão e respeito por si mesmo e pelos outros.

Então se está a viver esta situação o que é que pode fazer que depende de si? Pode mudar algo? Ou a única hipótese é ficar parado à espera do resultado, como se assistisse a um jogo de futebol?

A escolha é nossa. O futuro é nosso e de nós depende ficar parados à espera ou agir proactivamente na procura de alcançar os nossos objectivos. Falo, para os que escolheram lutar, para os que escolheram o projecto de outrem como sendo seu e para os que escolheram permanecer e acreditam que é possível. Este artigo é para os que acreditam que vale sempre a pena lutar por aquilo em que acreditamos e que que sabem que deixar as coisas nas mãos do tempo, não é a resposta.

Tarefa: Análise da situação

  1. Agi sempre com foco nos objectivos propostos pela administração?
  2. Entendi e concordei sempre com os objectivos e estratégias acordadas?
  3. Consegui os resultados que me propus, face ao cenário?
  4. Há algo mais que eu possa fazer?
  5. De quem depende o meu futuro? E a viabilidade do projecto?

Sugestão:

Ser sincero comigo mesmo, traz-me sempre dor, aprendizagem crescimento e acção e não necessariamente por esta ordem e nem sempre passo por todos os processos.