Início Opinião Cristina Azinhal Coaching: Desenvolver a Integridade. Para reflectir

Coaching: Desenvolver a Integridade. Para reflectir

“ Se for íntegro, nada mais importa. Se não for íntegro, nada mais importa.” – Alan Simpson

COMPARTILHE
   Publicidade   
   Publicidade   

Tenho por objectivo facilitar aos leitores a reflexão sobre o tema da integridade e sobre a sua importância para a nossa sociedade, de modo a que cada um possa conscientemente escolher o seu caminho e reavaliar a sua vida, no sentido de contribuir activamente para aquilo em que acredita.

A integridade desenvolve-se ao longo da vida, na fase inicial da nossa vida estamos expostos a determinadas condições que nos provocam o desenvolvimento do nosso carácter, condições culturais, religiosas, familiares e todas elas constituem o que se chama do nosso processo de socialização.

Se eu acredito que água mole em pedra dura tanto bate até que fura, estou a dizer que se for persistente consigo moldar o meu carácter, ou a opinião de alguém e até a minha, no fundo trata-se aqui de mudança. Como esta, a nossa memória está cheia de frases (ditados populares) que ouvimos dizer ao longo da nossa vida e elas, de alguma forma moldam o nosso comportamento, a nossa atitude, as nossas crenças e os nossos valores.

Cristina Leal Azinhal
Cristina Azinhal, Socióloga, especialista em gestão de talento

Já pensaram como se sentem quando alguém é injusto, quer seja com vocês, quer seja à vossa frente? A nossa reacção interna é a consequência de assistir ao pisar de um valor nosso: a Justiça.

De que ditados te recordas que fazem parte da tua vida e que usas com frequência?

Que características têm as pessoas integras? Estas são algumas das coisas que as pessoas dizem quando confrontados com esta questão.

Força de carácter, firme, resolvido, fibra moral, decidido, corajoso, faz o que promete, faz o que diz, autêntico, franco, transparente, aberto, honesto, directo no trato com os outros, clareza no que é certo e errado, clareza nos valores, comprometido, convicto do que diz, comportamentos e valores congruentes, com princípios, honrado, justo, confiável, responsável, equilibrado, sensato, prudente, etc.

No fundo, quando estamos perante uma pessoa íntegra sentimo-nos diferentes do que quando estamos na presença de alguém que carece desta característica. E quando está pessoa é nosso colega de trabalho, nosso cliente, nosso amigo, o impacto desta qualidade aumenta significativamente.

Tive a oportunidade de trabalhar em projectos cujo objectivo era reduzir o desperdício, a perda de produtividade e melhorar o clima de trabalho e a satisfação através da tomada de consciência sobre o que é ser íntegro e como podemos melhorar, mudar ou desenvolver esta característica, em nós, de forma a influencia o ambiente que nos rodeia.

Estes projectos duram 10 meses e claro que ninguém fica indiferente quando quer por escolha quer por imposição tem que viver um processo de semelhante dimensão. Mexe com as nossas estruturas, fundações, com as nossas pernas e com o nosso eu.

Imaginem-se a trabalhar num ambiente em que o nível de integridade é baixo, como descrevem esse ambiente, o que é que acontece?

O mais normal é:

  • Perda de confiança nos colegas, na empresa, na gestão, etc
  • Baixa iniciativa
  • Elevada rotatividade
  • Cultura do medo entre os trabalhadores
  • Atitudes defensivas e reactivas
  • Ausência de partilha
  • Vontade de chegar ao final do dia, ao fim de semana e às férias

O facto é que ninguém gosta de trabalhar em ambientes assim e a verdade é que muitos de nós já trabalhámos ou ainda trabalhamos em ambientes assim.

Imaginem o casco de um barco: O casco inteiro permite manter a água fora do barco. A possibilidade de um golpe ou buraco que pode não parecer muito grave no início, pode acabar por afundar o barco. É isto que acontece quando não há integridade.

Qual o nível de integridade que vives no teu meio? E à tua volta como são as pessoas que te rodeiam?

   Publicidade   
   Publicidade