Início Opinião Graça Amiguinho Colectânea Eurocidade-Elvas-Badajoz-Campo Maior – Literatura e Artes

Colectânea Eurocidade-Elvas-Badajoz-Campo Maior – Literatura e Artes

Gerada no meu pensamento, criou asas para se concretizar, logo após o Lançamento da Colectânea Elvas à Vista, na qual reuni 41 autores, dando cada um o seu melhor contributo para que a obra tivesse prestígio e fosse uma bela novidade na vida cultural do concelho de Elvas.

A Colectânea Eurocidade-Elvas, Badajoz e Campo Maior-Literatura e Artes é um projecto cultural mais abrangente e diversificado, pois consegui congregar nele 77 autores, oriundos dos três Municípios e ainda alguns simpatizantes e amigos do nosso Alentejo que, com todo o entusiasmo, aceitaram participar nesta grande obra.

“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo , a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho
“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo, a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho

Ainda não passaram dois meses e o trabalho está pronto para seguir para a gráfica.

Num período conturbado da minha vida familiar, em que uma gripe nos roubou a saúde e a paz, mesmo assim, a vontade de ver este sonho concretizado, tem-me dado as forças suficientes para que chegue a bom termo e para que, todos os autores, sintam uma grande alegria e honra por nele participarem.

Porque se trata de um trabalho de excelente qualidade literária e artística, inédito, conto, confiadamente, que a Eurobec apoie a sua edição, sem reservas, pois melhor promoção das três cidades, jamais foi feita pelas suas gentes, nas mais diversas vertentes literárias e artísticas.

Reunir fotógrafos, desenhadores gráficos, caricaturista, pintores, gente incansável na divulgação dos mais belos recantos das três lindas cidades e arredores, ter o prazer de ler poesia, escrita narrativa e conto, ilustrados com tanta graciosidade e beleza, posso considerar que não é obra do acaso.

Como crente que sou, e porque acredito que tenho uma missão ainda a cumprir na minha vida, pagar ao meu Alentejo, tudo o que ele fez de mim e tão generosamente me concedeu, talvez seja esta a melhor forma.

Porque penso assim?

Não é a minha força de palavra que, sozinha, conseguiria atrair tanta gente a participar e a contribuir com o que de melhor tem, o seu saber e arte!

Não conheço, pessoalmente, a maioria dos autores participantes, nem eles, nunca me viram.

Mas há algo muito forte, muito belo e puro que nos une, tenho a certeza!

É o nosso grande amor à terra onde nascemos, à terra que guardamos no coração, às nossas raízes, que queremos perpetuar e dar a conhecer às gerações vindouras!

É este o nosso segredo, o segredo da nossa união!

E assim, com ele vamos construindo um mundo melhor, mais culto e interessante, dando a conhecer a verdadeira essência do chão que pisamos, as suas belezas e tradições, os valores mais profundos da singela e pura Alma Alentejana!