Início Opinião Graça Amiguinho Educados para trabalhar?

Educados para trabalhar?

COMPARTILHE
   Publicidade   
   Publicidade   

Como se educam na família, na escola ou na universidade, os jovens de hoje, para entrarem no mercado de trabalho?

Num mundo em que tudo aparece pronto a consumir, numa sociedade em que o passageiro e populista tem cada vez mais adeptos, como criar uma mentalidade sã para que o trabalho seja encarado com alegria e prazer e, ao ser executado um projeto, procurar levá-lo até ao fim, ter paciência de suportar qualquer contrariedade que surja, contorná-la e continuar?

A juventude é confrontada com grandes contrastes de vidas.

Nem todo o trabalho ainda tem a remuneração justa e correspondente às responsabilidades assumidas e às competências exigidas para o seu integral desempenho.

Há setores em que qualquer trabalho tem um valor exorbitante mas na maioria das atividades, talvez por haver grande oferta de mão de obra, a entidade patronal desvaloriza o trabalho e paga remunerações verdadeiramente vergonhosas, impedindo os trabalhadores de terem uma vida tranquila e encontrarem prazer na obra realizada.

Os meios de comunicação divulgam exaustivamente a vida faustosa de artistas, pessoas que se tornam famosas, mostrando apenas o que é espetacular e ocultando tudo o que está na retaguarda, horas de trabalho intenso, sofrimento, persistência, desilusões, coragem e determinação.

“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo , a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho
“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo, a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho

Isso induz a juventude a imaginar que o sucesso e a fama estão ao seu alcance e que se conquistam milagrosamente.

Além de sentimentos de admiração pelo sucesso dos outros, podem surgir também complexos de inferioridade por não conseguirem alcançar o mesmo protagonismo.

Grande missão tem a Escola em ajudar cada jovem a descobrir a sua verdadeira vocação, encontrar-se consigo próprio, conhecendo melhor aquilo que é capaz de fazer com qualidade e até muito êxito.

Para todos os que já ultrapassaram essa fase da vida, como eu, e hoje observamos jovens talentosos que se tornam conhecidos no mundo pelos feitos realizados com esforço e por mérito próprio, sentimos que há inúmeras oportunidades de evolução profissional que há umas décadas não existiam e que, apenas precisam ser bem aproveitadas nos tempos que vivemos

Cientistas, escritores, poetas, grandes atletas, músicos, cantores, compositores, pintores, artesãos, políticos, administradores de empresas, gente com alma, têm dado prestígio a Portugal para além das nossas limitadas fronteiras.

Os nossos trabalhadores no estrangeiro são reconhecidos pela sua persistência e grande dedicação no desempenho das suas funções.

Infelizmente, na comunicação social, muitas vezes, perde-se tempo a mais com os que se enleiam nas redes de corrupção e dela fazem campo de oportunidade para alcançarem os seus objetivos de viverem vidas sem nada produzirem de útil, socialmente.

Que os bons exemplos de pessoas competentes e honestas sejam divulgados e sirvam de estímulo às novas gerações para percorrerem caminhos de progresso e paz.

Todas as Nações se tornam mais fortes se o seu povo for mais culto e souber aplicar os conhecimentos adquiridos em benefício do bem comum.

Portugal deu grandes passos nesse sentido, nestes anos de Democracia.

Porém, muito há a fazer para combater o insucesso escolar e reduzir o absentismo.

As famílias necessitam de mais apoios para proporcionarem aos filhos um ambiente saudável, uma vida normal.

É fundamental que todos os trabalhadores tenham melhores remunerações e acesso à progressão nas suas carreiras a fim de verem o seu trabalho e assiduidade devidamente recompensados.