Bombeiros
   Publicidade   
   Publicidade   

Em reunião ocorrida na terça-feira, 20 de Agosto, a Mesa da Assembleia Geral da Associação dos Bombeiros Voluntários de Elvas (BVE) decidiu, por “unanimidade”, a “destituição da actual Direcção. Esta decisão está fundamentada numa “petição interna, assinada pela maior parte do corpo activo”.

   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

Em comunicado enviado às redacções, refere ainda que terão sido vários “os motivos que “levaram a esta tomada de posição. Desde logo a não constituição em Fevereiro último de uma “Equipa de Intervenção Permanente” para os BVE, tendo então a agora destituída Direcção manifestado “impossibilidade em constituir a mesma”.

No comunicado pode ler-se “Esta decisão resultou na não indicação de uma Equipa de Intervenção Permanente, sendo Elvas, a par com Alter do Chão, os únicos concelhos do distrito que se vêem privados desta Equipa de resposta imediata, prejudicando os interesses dos Bombeiros e, acima de tudo, dos habitantes e do património do concelho de Elvas, aquele que mais ocorrências regista no seu distrito”.

Salienta ainda o comunicado que “com a época de incêndios de 2019 (DECIR 2019), a Associação dos Bombeiros Voluntários de Elvas foi questionada acerca da disponibilidade para assumir a logística da alimentação, garantindo a correcta utilização dos 7,50€ atribuídos pelo Estado por refeição a cada Bombeiro”. Como resposta o Presidente da Direcção manifestou “uma indisponibilidade para assumir tal suporte logístico”, sendo necessária a intervenção posterior do Município de Elvas para que se manifestasse «disponibilidade condicionada». Sabendo que as ocorrências não têm hora marcada, a existência de condicionamentos horários previamente definidos para as refeições, limita o acesso a alimento por parte dos BVE, acto de gestão que evidencia a falta de preocupação da Direcção, comprovada nos incêndios no concelho de Elvas nos dias 5, 6 e 16 de Junho, em que os Bombeiros Voluntários de Elvas não tiveram qualquer alimentação condigna”.

Também a 30 de Julho de 2019, “o Presidente da Assembleia-geral solicitou por correio electrónico, ao Presidente da Direcção, a última acta de reunião de Direcção assinada pelos elementos presentes na mesma, bem como a aprovação de contas pela Direcção e o relatório aprovado pelo Conselho Fiscal referente ao exercício do ano de 2018, ambos devidamente assinados pelos seus membros. Como resposta foi obtida uma promessa de envio assim que possível, sem que até à presente data tenha sido feita. A inexistência de tais documentos boicota a avaliação do funcionamento da Direcção da Associação, uma vez que os mesmos são garante da legitimidade dos actos da Direcção, ao indicar quando se realizam, com que periodicidade e quais as suas decisões”.

Perante tais factos, “a Mesa da Assembleia Geral da Associação dos Bombeiros Voluntários de Elvas, nos termos do artigo 80º dos Estatutos da mesma Associação, deliberou, por unanimidade, que a actual Direcção não detinha as condições mínimas para a continuação de exercício das suas funções, sendo deliberada a instituição de uma Comissão Administrativa, a partir de dia 20 de Agosto de 2019. Deliberou ainda a Mesa da Assembleia Geral da Associação dos Bombeiros Voluntários de Elvas, por unanimidade, a realização de uma auditoria interna à Associação dos Bombeiros Voluntários de Elvas”.