Nuno Mocinha, Joaquim Araújo, e Rui Nabeiro
   Publicidade   
   Publicidade   

A Unidade de Hospitalização Domiciliária, do Hospital de Santa Luzia de Elvas (HSLE), vai funcionar em instalações próprias num edifício próximo ao HSLE, na Fonte Nova junto ao edifício da Segurança Social, depois de concluídas as obras de requalificação.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Para o efeito, foi esta terça-feira, 30 de Março, assinado o acto de consignação da empreitada, pelo Edil, Nuno Mocinha – e Rui Nabeiro, CEO da construtora Construserv, na presença do presidente do Conselho de Administração da Unidade de Saúde Local do Norte Alentejano, Joaquim Araújo.

Nuno Mocinha, Presidente da Câmara Municipal de Elvas
Nuno Mocinha, Presidente da Câmara Municipal de Elvas

A adaptação do edifício vai permitir aos profissionais de saúde afectos à hospitalização domiciliária e “que já andam no terreno”, um trabalho de retaguarda eficiente, seja a organização processual, seja preparação atempada de medicação.

São os profissionais afectos a esta unidade que se deslocam a casa do doente e ali prestam cuidados de saúde “como se estivessem em enfermaria”, permitindo desta forma libertar camas e aliviar os serviços de internamento hospitalar. O serviço é assegurado os sete dias na semana.

o espaço permite que os profissionais se sintam autónomos para gerir os cuidados a prestar

O que na realidade irá ali nascer é uma estrutura que permita dar condições aos profissionais que já estão a trabalhar num contexto que não está adequado. Embora se preste todos os cuidados precisam de um espaço que permita dar condições para que possam trabalhar e se sintam autónomos para gerir os cuidados a prestar”, salientou Joaquim Araújo.

Joaquim Araújo, Presidente do Conselho de Administração da Unidade de Saúde Local do Norte Alentejano (ULSNA)
Joaquim Araújo, Presidente do Conselho de Administração da Unidade de Saúde Local do Norte Alentejano (ULSNA)

O projecto de Hospitalização Domiciliária abriu com dez camas, mas neste momento já conta com 15 camas, grande parte chegou a estar ocupada com doentes Covid. “Actualmente os doentes nesta situação são doentes de outras patologias” adiantou Joaquim Araújo.

A obra consiste na remoção dos pavimentos existentes, execução de novos pavimentos, compartimentação do espaço, execução de novos tectos, execução das redes de água esgoto e electricidade, instalação de sistema de ar condicionado e pinturas interiores e exteriores. Esta obra tem um prazo de 60 dias e está orçada em 65 mil euros.

Esta é a forma de agradecer a […] todos os profissionais de saúde, sem excepção

O edil, Nuno Mocinha diz que “este acto simbólico é como se estivéssemos a dizer a todos os profissionais de saúde: nós também estamos convosco e pertencemos à mesma equipa, e concluiu “esta é a forma de agradecer todo o esforço que todos os dias é feito, por todos os profissionais de saúde, sem excepção”.