Início Actual Elvas vai ter Centro Interpretativo do Aqueduto da Amoreira

Elvas vai ter Centro Interpretativo do Aqueduto da Amoreira

COMPARTILHE
Paulo Canhão, Nuno Mocinha e Ceia da Silva
   Publicidade   
   Publicidade   

O Plano Operacional de Suporte ao Desenvolvimento e Dinamização do Produto Património da Humanidade no Alentejo” foi apresentado na tarde de quarta-feira, 17 de Junho, na Biblioteca Municipal de Elvas Dra Elsa Grilo.

O projecto, levado a cabo pela Entidade Regional de Turismo em parceria com as Câmaras Municipais de Elvas e de Évora, estabelece algumas das acções e eixos de intervenção para este produto.

Nuno Mocinha, presidente da Câmara Municipal de Elvas, no ato de apresentação, referiu que este é o plano que responde à questão “o que se está a fazer para promover o produto Património Mundial”, depois de feito o diagnóstico apresenta-se um plano de acção concreto, “dentro da estratégia que está pensada, com acções bem definidas e dentro daquilo que são as boas práticas”.

Acrescentando que “não são só ideias, mas ideias que já foram estudadas e com forte possibilidade de ser implementadas”, apostando em “elementos diferenciadores e potenciando-os”.

O plano operacional, assente no produto turístico “Património da Humanidade no Alentejo: Uma história vivida e partilhada”, centra-se na “singularidade e excepcionalidade” do património e pretende ser um veículo de interacção e diálogo, criando uma relação emocional dos turistas com o Alentejo e contribuindo para a sustentabilidade do destino turístico, e, em paralelo, para o aumento do fluxo e da estadia dos turistas.

Neste âmbito, abrange o mercado nacional e internacional, segmentando o produto em Turismo jovem, familiar, sénior, grupos e de negócios, tendo nas componentes centrais animação, restauração, alojamento e transportes as suas prioridades de intervenção.

Em termos de acções concretas para Elvas, aponta-se a acção Caminhos de Água/Aqueduto da Amoreira, que, entre outros aspectos, pressupõe a criação do Centro Interpretativo do Aqueduto da Amoreira na Cisterna da Cidade de Elvas; Percursos urbanos: descodificar a paisagem de Elvas, com a criação do percurso islâmico e o percurso judaico; e o Corredor do Megalitismo, com passagens, após as respectivas intervenções e sinalética, pelas antas, menires e cromeleques existentes no concelho.

Entre as acções conta-se também o desenvolvimento de conteúdos digitais para um destino turístico inteligente, mediante a utilização da realidade aumentada e virtual; um Welcome Center de Elvas, a instalar na Parada do Castelo; e no âmbito da recuperação de artes e ofícios tradicionais da edificação, a criação de uma Escola de Ofícios Tradicionais.

Na área dos transportes a criação de uma app móvel, recorrendo à geolocalização, para os turistas terem um rápido acesso e conhecimento da rede de transportes existente.

Destaque ainda para o Programa Turístico Património da Humanidade no Alentejo, com a criação de programas temáticos, para aumentar a estadia dos turistas ou aumentar as despesas que fazem na estadia. Um circuito, no âmbito do Heritage & Bussiness, vocacionado para o turismo de negócios; o Heritage to All, sob o mote chegar, entrar e visitar; o Heritage Open Days ou o Follow Heritage são outras das acções a promover.

[spacer color=”8BC234″ icon=”fa-microphone-slash” style=”2″]

   Publicidade   
   Publicidade