ERSE | Importação de gás pelas interligações com Espanha cai 96% no 1º trimestre

Importação de gás
   Pub   
   Pub   
   Pub   

A importação de gás para Portugal pelos pontos de interligação com Espanha diminuiu 96% no primeiro trimestre, e a exportação de gás que chega pelo porto de Sines para o país vizinho desceu 22%, informou hoje a ERSE.

De acordo com o Boletim sobre Utilização das Infra-estruturas de Gás, da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), no primeiro trimestre do ano, “o volume de importação de gás a partir do VIP [Ponto Virtual de Interligação] Ibérico foi residual, totalizando um valor de cerca de 19 GWh, representando uma diminuição na importação de gás de 96% relativamente ao período homólogo”.

Já o volume exportado de gás a partir de Portugal totalizou 1.141 GWh, o que corresponde a uma redução de 22%, face ao primeiro trimestre de 2021.

 Pub 
 Pub 
 Pub 

A Rede Nacional de Transporte de Gás tem um VIP na fronteira com a rede espanhola, que consiste na união das duas interligações na fronteira Portugal-Espanha (Campo Maior-Badajoz e Valença-Tuy).

O gás destinado à exportação entrou em Portugal através do terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) de Sines, onde foi regaseificado e injectado na rede de transporte de gás, sublinhou a ERSE.

Desta forma, o saldo exportador, no primeiro trimestre, foi de 1.123 GWh, apontou o regulador.

Segundo a entidade, “a actual utilização do VIP Ibérico é bastante diferente do passado recente, em que chegou a ser o principal ponto de entrada de gás em Portugal”, uma alteração de comportamento que se vem a registar desde 2018 e 2019.

A mudança do padrão de utilização do VIP Ibérico, “coincide com outras mudanças estruturais nas interligações de Espanha”, designadamente no VIP Pirinéus, que se começou a registar em 2020, realçou a ERSE.

Desde 2016, o período agora em análise representa apenas a segunda vez que um trimestre regista saldo exportador no VIP Pirinéus (de Espanha para França).

Já a interligação de Tarifa, no sul de Espanha, que faz a ligação à Argélia via Marrocos, sofreu uma redução de volumes em 2020, ano em que terminou o contrato da Galp com a argelina Sonatrach.

No entanto, no final de 2021, aquela interligação foi interrompida, por decisão política da Argélia, devido a diferendos com Marrocos, e a interligação de Almería, que liga directamente à Argélia, registou um aumento nos volumes de gás transportados para compensar, parcialmente, o corte da interligação de Tarifa.

Quanto às reservas de gás em instalações subterrâneas, para garantir a segurança do abastecimento, Portugal registou ‘stocks’ de 80%, coincidindo com a meta estabelecida pela Comissão Europeia, no âmbito do programa REPowerEU, que fixa em 80% o nível mínimo de reservas de gás em instalações subterrâneas até 01 de Novembro de 2022, aumentando para 90% nos anos seguintes.

No caso ibérico, considera-se ainda o gás armazenado nos tanques dos terminais de GNL, que representa, em média, cerca de metade do gás alojado nos armazenamentos subterrâneos.