Publicidade   
   Publicidade   

Considerada a terceira fronteira mais transitada, entre Elvas e Badajoz, é hoje em dia uma zona a necessitar de requalificação, agora que se aguarda pela construção da linha de Alta Velocidade e da instalação da Plataforma Logística.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Utilização política e administrativa: Estação Fronteiriça

Recordemos as datas marcantes na história da Estação Fronteiriça (Posto Fronteiriço) do Caia:

  • 1950 – Conclusão da rede geral de esgotos e inicio da construção do reservatório elevado para abastecimento de águas aos diferentes edifícios, pela Delegação das Obras das Cadeias, das Guardas Republicana e Fiscal e das Alfândegas a);

a) As obras foram realizadas devido a ter-se verificado que as estações fronteiriças, já concluídas há muito tempo, não reuniam as condições julgadas indispensáveis para a sua ocupação pelos serviços a que são destinadas, houve necessidade de estudar, em conjunto com os delegados desses serviços, dentro das possibilidades existentes e tendo em atenção a compartimentação dos edifícios já construídos, as obras necessárias para satisfazer as exigências daqueles mesmos serviços.

  • 1954 – Fornecimento de mobiliário, pela Comissão para Aquisição de Mobiliário;
  • 1955 – Construção de um anexo destinado a arrecadação de combustíveis, da subdelegação aduaneira do Caia, conclusão da última fase dos trabalhos de conservação e beneficiação levados a cabo no edifício, pela Direcção dos Serviços de Construção e Conservação e Delegação nas Obras de Edifícios de Cadeias, das Guardas Republicana e Fiscal e das Alfândegas;
  • 1954 / 1955 – Construção de três blocos destinados às praças do Posto da Guarda-fiscal e respectivos grupos arrecadações-capoeiras; obras de conservação, reparação e beneficiação, no posto da Guarda-fiscal, pela Delegação nas Obras de Edifícios de Cadeias das Guardas Republicana e Fiscal e das Alfândegas;
  • 1956 – Início da 2ª fase da construção das moradias para os praças do posto fiscal da estação, pela Delegação nas Obras de Edifícios de Cadeias das Guardas Republicana e Fiscal e das Alfândegas, dependendo o seu acabamento dos trabalhos a realizar em 1957; execução de diversos trabalhos complementares, aquisição dos terrenos destinados às zonas de protecção dos poços de captação para o abastecimento de água, além de diversas obras de pintura e reparação;
  • 1957 – Conclusão da empreitada da 2ª fase da construção das moradias para as praças do Posto fiscal da estação; pela Delegação nas Obras de Edifícios de Cadeias, das Guardas Republicana e Fiscal e da Alfândegas;
  • 1958 – Conclusão da empreitada de iluminação exterior e trabalhos complementares da instalação eléctrica das moradias para praças do posto fiscal, e construção de um grupo de arrecadações para bicicletas, pela Delegação nas Obras de Edifícios de Cadeias, das Guardas Republicana e Fiscal e da Alfândegas;
  • 1959 – Início da construção de uma moradia para agentes da Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE), de uma moradia destinada a Posto de Turismo, de uma arrecadação para bicicletas, de lavadouro e de um parque infantil, incluídas nas instalações da Guarda-fiscal, pela Delegação nas Obras de Edifícios de Cadeias, das Guardas Republicana e Fiscal e das Alfândegas.

[mytabs name=’Antes’]

[/mytabs] [mytabs name=Plantas e esboços’]

[/mytabs] [mytabs name=’Actualidade’]

[/mytabs][end_mytabs skin=”blocks”]