Polícia-morto-ao-defender-mulher-de-agressão-em-Évora
   Publicidade   
   Publicidade   

No sábado, pelas 21H45, no Rossio de São Brás, em Évora, ocorreu uma agressão a uma mulher, pelo seu companheiro, na via pública. O agressor arrastou a mulher pelo chão e obrigou-a a entrar numa viatura.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Em comunicado a PSP adianta que, no local, “encontrava-se um agente da Polícia de Segurança Pública (PSP), fora de serviço, que presenciou as agressões e que de pronto interveio para fazer cessar o crime em curso”. Ao tentar impedir a fuga do agressor, o agente António Doce, de 45 anos, “foi atropelado pela viatura conduzida por aquele, sendo arrastado cerca de 40 metros”.

O agressor conseguiu fugir, sendo posteriormente interceptado por guardas da Guarda Nacional Republicana, na zona de Alcabideche, em Sintra, após imediata difusão e alerta a todas as forças e serviços de segurança, feita pelo Centro de Comando e Controlo Estratégico da PSP.

Foram accionados os meios de emergência e socorro, sendo o Polícia transportado e assistido no Hospital do Espírito Santo, em Évora, em estado muito grave. Infelizmente, lê-se no comunicado, “devido à gravidade das lesões sofridas na intervenção policial”, o agente  acabou por falecer pelas 00H54 de hoje.

O agente era casado e deixa dois filhos.

Governo manifesta «profundo pesar»

Entretanto o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, manifestou em nome do Governo, o seu «profundo pesar» pela morte do Agente Principal António José Pinto Doce, vítima de atropelamento após uma intervenção policial.

no comunicado lê-se ainda «neste momento trágico, apresento as mais sentidas condolências aos familiares, amigos e a todos os polícias da Polícia de Segurança Pública que diariamente cumprem de forma abnegada a sua missão».