Fátima,-12-de-Maio-2020
Foto: Arlindo Homem
   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

O Bispo de Leiria-Fátima presidiu hoje na Cova da Iria à celebração nocturna da peregrinação internacional de Maio, com o recinto fechado e sem peregrinos, evocando a “noite escura” da pandemia que afecta milhões de pessoas.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

“Fica connosco, Senhor, porque se faz noite! É talvez a primeira invocação espontânea de quem aqui sente a noite escura que pesa sobre o mundo abatido por uma pandemia global; a invocação de quem vive uma noite escura da fé perante o aparente silêncio e ausência de Deus; a invocação de quem estremece e estranha esta noite tão diferente daquelas noites inigualáveis de 12 de Maio – autênticos mares de luz – e que hoje mais parece um deserto semiescuro”, assinalou D. António Marto, na homilia da celebração da Palavra que decorreu no altar do Recinto de Oração.

Fátima,-imagem-de-Nossa-Senhora
Foto: Arlindo Homem

Devido à pandemia de Covid-19, a celebração da vigília decorreu em moldes mais simples, seguida por algumas dezenas de pessoas – bispos, capelães e funcionários do Santuário – com transmissão online.

Mil velas foram colocadas no recinto, “a lembrar todos os peregrinos, os vivos e também os defuntos que foram vítimas da pandemia”, referiu o cardeal.

D. António Marto falou de “quem mais sofreu e continua a sofrer e dos que mais lutaram e lutam pela saúde de todos”.

A homilia recordou “os defuntos e seus familiares; os doentes; todos os profissionais de saúde, com a sua abnegação e dedicação, até pôr em risco a própria vida; todos os cuidadores; os idosos, os pobres, as famílias que cuidam ou que choram; os sacerdotes; os trabalhadores da protecção civil, dos transportes, da limpeza, da alimentação; os bombeiros e tantos outros que não se pouparam a sacrifícios, como bons samaritanos”.

Particularmente unido a nós está também um peregrino especial, o Santo Padre Papa Francisco, por cujas intenções queremos orar a Nossa Senhora”.

O Bispo de Leiria-Fátima destacou o simbolismo das 21 velas que hoje representavam as dioceses de Portugal; esta quarta-feira, dia 13, um ramo de flores vai representar os emigrantes e os peregrinos dos diversos continentes do mundo.

“Estais aqui todos os que nos seguis pelos mais diversos meios de comunicação com a luz e o calor acesos da fé que enche os vossos corações”, disse o Cardeal D. António Marto.

No dia 13, a oração do Rosário começa às 09h00, na Capelinha das Aparições; às 10h00 será celebrada a Missa da Solenidade de Nossa Senhora de Fátima, presidida pelo cardeal D. António Marto, Bispo de Leiria-Fátima, seguida da Procissão do Adeus.

O Recinto de Oração está encerrado entre a tarde de hoje e o final da manhã desta quarta-feira, devido às regras sanitárias definidas pelo Governo no contexto da declaração do estado de calamidade pública, em articulação com a Conferência Episcopal Portuguesa.