Marte
   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

Pedro Arezes, professor catedrático da Escola de Engenharia da Universidade do Minho, defende num novo estudo que os fatos espaciais devem considerar múltiplos factores para cada astronauta e com base em modelos computacionais. Isso permite evitar lesões musculoesqueléticas, alterações biomecânicas e dificuldades de desempenho que os actuais fatos provocam aos astronautas, sendo sobretudo decisivo em missões fora da nave e de longa duração, como nas previstas missões tripuladas a Marte e à Lua.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

O estudo acaba de ser publicado na revista científica “Aerospace Medicine and Human Performance”, em co-autoria com cientistas do MIT – Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da Universidade de Colorado, nos EUA.

A missão humana a Marte pode demorar mais de 15 meses e acarreta muitos desafios, como manter o estado de saúde dos astronautas e, em simultâneo, o seu elevado desempenho. O mesmo sucede nas spacewalks pelo exterior da Estação Espacial Internacional, com durações superiores a seis horas. Para o investigador Pedro Arezes, as características das tarefas a desenvolver requerem fatos espaciais mais avançados.

Pedro Arezes, professor catedrático da Escola de Engenharia da Universidade do Minho
Pedro Arezes, professor catedrático da Escola de Engenharia da Universidade do Minho

O desenho e concepção destes deve considerar a interacção entre vários factores, como a massa e volume dos fatos, o esforço exigido para caminhar, a mobilidade e agilidade necessárias e a adequação do fato à anatomia específica do astronauta. Sem essa optimização pode surgir um conjunto de lesões, como eritemas, escoriações, fadiga muscular, parestesias, contusões e edemas, diz o também coordenador do Grupo de Ergonomia e Factores Humanos da Universidade do Minho.

Um desafio no design é que a construção desses sistemas entenda a relação complexa entre o fato espacial e a interacção humana. Torna-se, por isso, necessário desenvolver ferramentas computacionais que permitam avaliar os fatos espaciais antes mesmo destes serem testados pelos astronautas. “É exactamente aqui que os modelos computacionais poderão simular o desempenho dos astronautas, constituindo-se uma ferramenta fulcral na concepção dos fatos”, sublinha Pedro Arezes.

Para o também director nacional do Programa MIT Portugal – uma parceria entre o Governo português e a prestigiada universidade norte-americana –, “este é mais um estudo em que a ciência portuguesa dá um contributo para a área do Espaço, reforçando e dando corpo à estratégia nacional que tem vindo a ser assumida, como é bem visível na recente criação da Agência Portuguesa para o Espaço”.

Gabinete de Comunicação, Informação e Imagem – Universidade do Minho
Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva