Foco na Terrugem preocupa mas “não é preciso fazer nenhum cerco sanitário”

Nuno Mocinha, Presidente da CME
Nuno Mocinha, Presidente da CME
   Pub   
   Pub   
   Pub   

O concelho de Elvas tem 132 casos activos de infecção pelo novo coronavírus e 92 estão localizados na Freguesia de Terrugem, sendo motivo de “especial atenção por parte da autarquia elvense.

O que neste momento mais preocupa o Município é, desde logo, o foco na Terrugem, freguesia rural do concelho de Elvas, onde estão activos 92 casos e onde o “público-alvo tem maior propensão a ter repercussões da Covid, mais graves, são as pessoas de maior idade”, salientou o presidente do Município, Nuno Mocinha, na conferência de imprensa desta manhã.

O Lar da ABAT é, diz Mocinha, a nossa “especial preocupação”, “o Lar e o Apoio domiciliário” que lhe está associado. Aqui estão reunidas “cerca de 100 pessoas, entre funcionários e utentes, sendo que neste momento temos identificados oito positivos, dois utentes e seis funcionários”.

 Pub 
 Pub 
 Pub 

Numa Freguesia onde residem cerca de 1.000 pessoas, estão identificados 92 casos activos, perto de dez por cento da população residente.

Precisa de ajuda, apoio, tem dúvidas?
Ligue

800 500 999

Quanto a medidas preventivas, o edil salientou a realização de mais de 300 testes na Terrugem, pois “só assim é que podemos identificar as pessoas positivas”. Estes testes foram realizados seguindo a cadeia de contactos.

Nesta tarefa a Câmara Municipal tem sido acompanhado pela área da saúde e da Segurança Social “que dá apoio directo ao Lar na sua própria organização e também na realização dos testes, com a saúde”. Nuno Mocinha referiu também que este procedimento “está a ser monitorizado pela Unidade de Saúde Local (delegado de Saúde) que nos dá apoio”.

Nuno Mocinha, Presidente da CME
Nuno Mocinha, Presidente da CME

Nuno Mocinha garante ainda que a Câmara de Elvas tem uma equipa de retaguarda com cerca de 50 pessoas, [em tempo, recorreu conjuntamente com a Cruz Vermelha ao programa MAREESS – Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde, para salvaguarda destas situações) que a qualquer momento está disponível para “substituir as pessoas que entretanto ficam sem poder ir ao Lar prestar o seu trabalho ou, se necessário, reforçar essas equipas”.

O Município apelou já às forças de segurança, em especial à GNR, o patrulhamento mais intenso ao mesmo tempo que continua a monitorizar os casos activos bem como as suas repercussões e prossegue com os testes às pessoas que forem de contacto

Reflexão e pedido:
A atitude de cada um é muito importante

Respeite o uso da máscara;

Respeite o distanciamento social;

Desinfecte as mãos com frequência , e assim contribuímos e muito para que se possa travar esta transmissão.

Nuno Mocinha salienta que “não é preciso fazer nenhum cerco sanitário como algumas pessoas já foram alvitrando”. E prosseguiu: “se cada um fizer o seu próprio cerco, isto é, se a atitude das pessoas que neste momento estão confrontados com este problema for de recato, com certeza que nos ajudarão a levar este problema por diante e a conseguir controlá-lo e eliminá-lo por completo”.