Início Opinião Graça Amiguinho Hoje vamos falar de amor

Hoje vamos falar de amor

COMPARTILHE
   Publicidade   
   Publicidade   

No mundo imenso das palavras, esta é, sem sombra de dúvida, uma das mais simples pela sua composição morfológica mas também uma das mais complexas pela diversidade de sentimentos que pode expressar.

Do amor divino ao humano temos uma longa caminhada repleta de imagens maravilhosas e, como tal, perpetuadas no mais íntimo do nosso ser.

Deus é amor, amor incondicional, pois tudo dá sem nada pedir, tudo perdoa sem ressentimentos, a todos ama da mesma forma, o que para alguns de nós, por vezes, parece incompreensível.

O mistério da criação é o sinal mais palpável de um ato de amor. E repete-se a cada momento em toda a natureza. É imparável e sempre admirável.

Todos ouvimos falar de amor, de entrega, de doação, sentimentos que existem no mais profundo da nossa natureza e, sem que se lhe dê esse nome, em muitas espécies animais, as quais, muitas vezes, conseguem despertar a insensibilidade de alguns humanos.

“Canto a minha terra, a minha gente ! Este povo que amo , a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho
“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo, a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho

Salvo algumas exceções, nascemos de um ato de amor, fomos amados e aprendemos a amar. Quem não recorda os carinhos dos pais,dos irmãos, dos tios, dos avós e de quantos nos rodeavam? Esses gestos de ternura foram a base da nossa personalidade afetiva criando em nós o desejo de repartir com os outros a bênção recebida.

Assim acreditámos no amor, aceitámos ser amados e amar! Essa sensação de equilíbrio é fundamental para uma realização interior e exterior durante todo nosso percurso de vida.

Só a felicidade pode produzir frutos. Só a alegria de amar pode trazer a verdadeira felicidade. São as mais pequenas coisas que se tornam preciosas na nossa vida!

O amor não é egoísta, não pode fechar-se em si próprio nem iludir-se com o seu próprio encanto. O amor é uma caminhada sem vaidade nem presunção, é o encontro com a simplicidade e a alegria sã.

O ato de amar não implica uma troca. Quantas vezes sentimos que não somos amados com a mesma intensidade com que julgamos amar?

A medida do amor é tão indefinida como o sonho ou o prazer. Cada um tem a sua própria medida e não pode ser julgada de ânimo leve. Há gente que não sabe exprimir o amor que sente pelos outros por razões que desconhece. Há gente que sofre por não ter coragem de dizer – meu amor, amo-te ! Mas nada disso significa que não ame , que não tenha amor para dar.

Estou refletindo sobre o amor humano, aquele de que somos feitos e que muitas vezes não sabemos quantificar.

Mas há um amor maior, mais difícil de entender e para o qual não encontramos explicação palpável.

É o amor a Deus, Senhor do Universo, a Seu Filho Jesus Cristo, à Santíssima Virgem Maria, aos Anjos e Santos!

Poderá parecer coisa de crianças mas vai muito além; atravessa fronteiras, une povos e raças, está patente nas mais variadas obras de arte, literatura, pintura, arquitetura, ao longo dos tempos e é proclamado por gente simples e humilde mas também por intelectuais, por pobres e ricos, por doentes e saudáveis.

O amor jamais morrerá! O amor é mais forte do que a morte! O amor vencerá!

Não tenha medo de amar!

   Publicidade   
   Publicidade