Foto: UMPTV
   Publicidade   
   Publicidade   

O Delegado Regional do Alentejo do Instituto do Emprego e Formação Profissional, José Palma Rita, foi afastado no último dia de 2015, do cargo que ocupava há 4 anos. Esta destituição está entre as dezenas realizadas pelo governo de António Costa, que afastou a 31 de Dezembro toda a estrutura directiva do IEFP no país. Do presidente aos sub-delegados, avança a Diana FM no seu sítio internet.

   Publicidade   
   Publicidade   

Em nota enviada àquela estação emissora, José Palma Rita, deixou transparecer surpresa pela decisão do Governo, ao escrever que viu serem interrompidas as suas funções “no âmbito da comissão de serviço resultante do processo conduzido pela CRESAP”, diz a estação de rádio.

A Rádio, localizada em Évora, refere que o ainda delegado regional se dirigiu aos funcionários da delegação do Alentejo, na primeira pessoa, e afirmou que a dedicação da equipa que mobilizou “se empenhou com dignidade, elevação, profissionalismo e muita proximidade” para ultrapassar os difíceis contextos encontrado. José Palma Rita disse ainda ter “muita satisfação pelos resultados alcançados”.

Segundo a Diana FM, no final da mensagem Palma Rita referiu ter motivos para se considerar “um homem abençoado” pelo enriquecimento que teve nas “dimensões profissional, pessoal e social” ao longo do período em que dirigiu a delegação regional do Alentejo do IEFP.

Destacado dirigente regional do PSD, José Palma Rita assumiu o cargo de delegado regional com a entrada em funções do último governo PSD/CDS, depois de ter ocupado o cargo durante os breves meses do governo dirigido por Santana Lopes. No início de 2015 foi novamente, desta vez após concurso público da CRESAP, para o cargo que já ocupava. Era um firme crítico da política de emprego desenvolvida pelos governos do PS liderados por José Sócrates. Defendeu sempre a aplicação do método “dual” de formação profissional em contexto de emprego originário da Alemanha.

Redacção com Diana TV
Foto: UMPTV