Opinião - Graça Amiguinho
   Publicidade   
   Publicidade   

Tal como Camões escreveu nos Lusíadas também eu, hoje, quero perpetuar, com as minhas humildes palavras, o grande Português, Jorge Sampaio, a quem, emotivamente, dissemos adeus.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Jorge Fernando Branco de Sampaio, nasceu a 18 de setembro de 1939, em Lisboa.

“E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da morte libertando:
Cantando espalharei por toda a parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte”

Luís de Camões

Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa em 1961, foi um líder na luta pelo restabelecimento da Democracia, que foi concretizada com a Revolução dos Cravos, em 1974, tornando-se, desde a primeira hora, um grande defensor da Democracia e da sua forte consolidação.

Antes do 25 de Abril, entre 1960 e 1970, este prestigiado advogado, defendeu, em Tribunal, muitos presos políticos, denunciando, corajosamente, os abusos da PIDE.

Sem qualquer remuneração cobrada, defendeu muitas vítimas da repressão do Estado Fascista.

Mas o seu desejo de defender os direitos dos mais fracos e oprimidos, levou-o mais longe, exercendo a sua ação como membro da Comissão Europeia de Direitos Humanos do Conselho da Europa, entre 1979 a 1984.

Vários foram os altos cargos desempenhados, a partir de 1976.

Desde Deputado à Assembleia da República, a Palestrante do LabourParty, a Vice-Ministro da Cooperação Externa, a Presidente da Câmara de Lisboa de 1989 a 1995, até Presidente da República, de 1996 a 2006, desempenhou todos os cargos com sobriedade, honestidade e amor à Pátria.

O seu tempo, dividido entre a Família, que sempre amou, e a sua atividade como cidadão do Mundo, foi aproveitado, ao segundo. Nada ficou para trás.

Em 2006, quando se poderia ter reformado, não o fez. A humanidade chamava por ele.

Foi o primeiro Enviado Especial do Secretário-Geral da ONU para Combater a Tuberculose, entre 2006 e 2012.

Tendo sido nomeado por Kofi Annan e mais tarde por Ban Ki Moon, com a sua interferência aumentou a visibilidade a nível internacional, da escala da doença que tanto afetava os pobres, com grande impacto na agenda dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio.

Em 2007 e até 2013, foi o Alto Representante da ONU para a Aliança das Civilizações.

Devido à grandeza dos seus ideais humanistas, ao ser nomeado pelo Secretário Geral, Ban Ki Moon, criou um importante Fórum da ONU para estabelecer o diálogo e a cooperação contra o ódio e a violência.

Assim, abriu caminhos para promover uma ação comum, a nível local, nacional e regional, cujo objetivo se prendia com o seu desejo de enfrentar os desafios da enorme diversidade cultural em todo o mundo, como meio mais eficaz de construir a paz.

Nos últimos tempos, desta sua viagem terrena, empenhou-se em dois dos mais importantes campos de ação internacionais:

Foi membro da Comissão Global de Política de Drogas, defendendo uma reforma profunda na política de drogas e lançou a Plataforma Global para Estudantes Sírios, uma iniciativa que permite dar bolsas de estudo de emergência a estudantes Sírios, para que possam retomar os seus estudos universitários.

Em 2020 o Senhor Dr. Jorge Sampaio tornou-se Presidente da Plataforma Global que ampliou a sua ação, tornando-se numa Plataforma Global para Educação Superior em Emergências.

São tantos os cargos desempenhados, como grandiosa era a bondade do seu coração e a transparência do seu carinhoso olhar.

A doença acompanhou-o durante largos anos, mas nunca fez dela uma bandeira para que alguém o lamentasse. Soube sofrer e calar o seu sofrimento.

Se houve quem, após a morte, merecesse ser elogiado, este grande cidadão português está na primeira linha. Ninguém conseguiu ocultar a admiração, o respeito e louvor a tão digno Português.

Que o seu grandioso trabalho humanitário, em prol da paz e do progresso, tenha continuidade.

---[ Pub ]---