Início Opinião Graça Amiguinho Mário Centeno, o rosto da simplicidade e competência

Mário Centeno, o rosto da simplicidade e competência

Os Portugueses que amam verdadeiramente a sua Pátria só podem ter um sentimento com a sua eleição – orgulho nacional!

COMPARTILHE
Mário Centeno, presidente do Eurogrupo
   Publicidade   
   Publicidade   

Os Homens que escrevem as páginas gloriosas da História são, geralmente, pessoas despidas de vaidades, humildes de espírito e grandiosas de sabedoria.

Mário Centeno parece responder a todos estes requisitos. Digo, parece, porque só dele conheço o que vejo e oiço nas redes sociais e órgãos de comunicação.

E o que meus olhos vêem é, de facto, um homem de uma simplicidade e naturalidade fora do comum.

O que da sua boca se ouve são palavras sóbrias, despidas de artifícios, ditas com respeito pelos seus interlocutores, mesmo aqueles que ele sabe muito bem quem são e o que dele pensam.

Analisando com toda a honestidade, ninguém pode duvidar das boas escolhas feitas por António Costa para o seu executivo.

Mário Centeno assumiu a pasta de maior responsabilidade do Governo, aquela que precisava de uma mão forte e certeira para tirar Portugal da lama e do descrédito em que se encontrava, após a saída da troika, que, para alguns tinha sido uma «saída limpa» mas deixando o «lixo debaixo do tapete», nomeadamente nas entidades Bancárias e outros sectores de grande importância do País.

“Canto a minha terra, a minha gente ! Este povo que amo , a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho
“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo, a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho

Contrariamente ao que o Governo anterior tinha feito, gabando-se de ser «um aluno excelente» das políticas protagonizadas pela Comissão Europeia que levaram ao desespero não só Portugal mas também a Espanha e a Grécia, Mário Centeno virou a página da austeridade devolvendo ao povo Português a tranquilidade, acabando progressivamente com os cortes nas pensões, criando oportunidades de emprego, aumentando as prestações sociais aos mais desfavorecidos, reduzindo a dívida externa, aumentando as exportações, enfim, atitudes que se coroaram com a saída de Portugal do défice excessivo e as Agências de rating internacionais retirando Portugal do lixo, permitindo um aumento significativo da nossa credibilidade e atraindo o investimento estrangeiro necessário ao desenvolvimento do nosso País.

O sucesso da nova política levada a cabo pelo Governo Socialista, as suas intervenções além-fronteiras olhadas com respeito e admiração, mostraram à Europa que a austeridade não é a melhor forma de alavancar a economia e melhorar a vida de um povo.

Para coroar a credibilidade alcançada, a candidatura do nosso Ministro das Finanças a Presidente do Eurogrupo, olhada até pelo senhor Presidente da República com alguma desconfiança, foi o maior sucesso do Governo e a maior bofetada para todos os que, sem pudor nem educação, desdenhavam do Ministro das Finanças de Portugal.

Os Portugueses que amam verdadeiramente a sua Pátria só podem ter um sentimento com a sua eleição – orgulho nacional!

Quem não tiver a humildade de pedir desculpa e se penitenciar de todos os impropérios que contra Mário Centeno foram ditos, um dia será julgado pelo povo que não esquece tanto, quanto alguns gostariam que esquecesse.

Outros, sabendo que estão perdendo a carruagem, querem associar o sucesso de Mário Centeno à governação anterior. É inacreditável que se arroguem detentores do que não lhes pertence. Haja decência e verdade!

Que Mário Centeno prossiga um caminho firme e decidido que induza a Europa a escolher novas alternativas que permitam a todos os povos alcançar a realização dos sonhos de bem-estar, progresso e paz social.

   Publicidade