Ministro destaca “cooperação” na diminuição dos tempos de espera nos aeroportos

Aeroporto de Lisboa, Terminal 1
Aeroporto de Lisboa, Terminal 1
   Pub   
   Pub   

O ministro da Administração Interna destacou hoje, em Ourém, a “cooperação” entre diversas entidades que permitiu uma “redução para menos de metade” dos tempos de espera nos aeroportos.

“No que diz respeito à responsabilidade do controlo de segurança no aeroporto, houve redução para menos de metade. Isso mostra algo muito importante, que, aliás, também é válido para o esforço de protecção civil nacional. Mostra que quando somos capazes de cooperar entre os diferentes níveis de responsabilidade e os diferentes serviços públicos e privados, quando o valor da cooperação impera, nós somos capazes de enfrentar todos e os mais complexos desafios”, disse José Luís Carneiro, à margem de uma reunião com o presidente da Câmara de Ourém.

O ministro adiantou que os tempos de espera foram reduzidos para bem menos de metade, “naquilo que tem que ver com a responsabilidade do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras [SEF], ou seja, o controlo da segurança nos aeroportos de Lisboa, Faro, Porto, Açores e Madeira”.

 Pub 
 Pub 

José Luís Carneiro disse que estes tempos correspondem à espera de “cidadãos vindos de países terceiros, que, dirigindo-se aos postos onde estão os funcionários do SEF e agora também da Polícia de Segurança Pública, têm que realizar rastreios de segurança, porque há dimensões que têm a ver com o funcionamento dos aeroportos que também não têm que ver com o Ministério da Administração Interna”.

O tempo máximo de espera no aeroporto de Lisboa baixou em mais de metade entre Maio e Agosto, de quase duas horas para 47 minutos nos três meses de aplicação do plano de contingência, segundo o Ministério da Administração Interna.

Num balanço feito à Lusa sobre os três meses do plano de contingência nos aeroportos portugueses, o Ministério da Administração Interna (MAI) avança que, entre 1 de Junho e 30 de Agosto, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) controlou 5,4 milhões de passageiros nas chegadas e partidas, metade dos quais no Aeroporto Internacional Humberto Delgado, em Lisboa.

O plano de contingência do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras para os aeroportos portugueses durante os meses de verão incluiu um conjunto de medidas que começaram a ser aplicadas em Junho e entraram gradualmente em vigor até ao início de Julho para fazer face ao aumento exponencial do desembarque de passageiros no período do verão.

Entre as principais medidas consta um reforço de 55 inspectores do SEF e de 176 agentes da PSP e várias soluções tecnológicas, como o controlo electrónico de fronteira (E-gates).