Natal,-recordação,-memória-e-saudade
   Publicidade   
   Publicidade   

Opinião de Risoleta C Pinto PedroNão me lembro dos natais no Alentejo. Primeiro, porque apenas aqui vivi em permanência até aos dois anos, e se tenho muitas recordações, poucas são as memórias desse tempo. Segundo, porque depois disso, se todos os anos regressámos, era sobretudo no Verão por ocasião das férias do meu pai, e eventualmente no Carnaval ou na Páscoa. Assim, tenho a recordação dos cantares do meu avô à lareira, por ouvir contar, mas não a memória. Contudo, ainda que eu viesse muito cedo, autonomamente, a encontrar a minha própria forma de Natal que ainda hoje me comove e acompanha, falta-me o Alentejo, cuja recordação não me é suficiente. Tenho uma enorme saudade do que não lembro.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

O Natal é uma forma de saudade e de lembrança do que não podemos lembrar, porque não estivemos lá. Todos os anos reconstituímos algo que não vimos e que, no entanto, vive enquanto imagem na nossa imaginação, assim como eu tenho dentro de mim a imagem visual e auditiva do meu avô à lareira. E a saudade. Passo onze meses e mais alguns dias do ano com saudades de Dezembro, porque no dia 25 já elas começam a assaltar-me. O Natal é um arquétipo contendo muitos arquétipos dentro de si. Ora os arquétipos não morrem, mas custa-me ter de os embrulhar em folhas de jornal e encerrar dentro de uma caixa. Evidentemente, o arquétipo não está lá dentro, apenas a sua representação, pois não tem lugar nem tempo, por isso pode permanecer dentro de mim e assim acontece, mas a criança que ainda sou, e que espero permanecer, sente falta do barro das figuras, das músicas tradicionais e eruditas evocativas do teatro simbólico representado na gruta, e sobretudo sente saudade da recordação, e sente saudade da saudade da memória. É algo com que tenho de alegremente viver durante onze meses e mais uns dias, que depois os Reis ou Magos, consoante cada um preferir, me vêm compensar, com bolo em forma de coroa e romãs coroadas, no dia seis de Janeiro.

Até Janeiro me despeço, leitor e amigos, com votos, que reitero, de um Natal aconchegante, solidário, consciente e projectado no futuro a partir do passado, essa criação da saudade. Em forma de azevia, Menino Jesus ou cante da nossa terra.

Artigo anteriorElvas | GNR apreendeu mais de 400 quilos de material pirotécnico
Próximo artigoElvas regista 25 novos casos de infecção, nas últimas 24 horas, um novo máximo
Risoleta C. Pinto Pedro nasceu em S. Vicente e Ventosa, Elvas. Vive em Lisboa, foi professora de língua e literatura numa escola de ensino artístico e é escritora nas áreas do romance, novela, conto, poesia, teatro, crónica periodística e radiofónica (“Antena 2") , ensaio, cantata, ópera, musical, canção (libretos para os compositores Jorge Salgueiro e Paulo Brandão), alguns posteriormente editados em BD e CD. Excluindo parcerias e colectâneas ou revistas, tem, a título individual, vinte e duas publicações, sendo as mais recentes: Mater, Útero de Romã; O sol do Tarot de Sintra; Happy Meal, Manjar Sentimental (ficções), Cantarolares com Sabor Azul (poesia), Àvida Vida (poesia) A Literatura de Agostinho da Silva, essa Alegre Inquietação e António Telmo, Literatura e Iniciação (ensaios). Prémios: poesia pela SLP; na narrativa: A Criança Suspensa, Prémio Ferreira de Castro; e O Aniversário, Prémio APE. É membro do Gabinete de Estudos Agostinho da Silva e do Projecto António Telmo, cujas obras vem estudando e sobre as quais vem escrevendo e fazendo palestras. Prepara, em parceria, a biografia de António Telmo.