António Costa, Primeiro-Ministro
   Publicidade   
   Publicidade   

António Costa anunciou, após a reunião do Conselho de Ministros, que as celebrações de Ano Novo serão “totalmente cortadas” devido ao elevado perigo de contágio. “Ao contrário do que tínhamos previsto há 15 dias, temos de cortar totalmente as celebrações de Ano Novo”, revelou Costa.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

A partir das 23h00 na noite de 31 de Dezembro e no dia 1, 2 e 3 de Janeiro a liberdade de circulação será limitada, anunciou o primeiro-ministro.

“Quando há duas semanas anunciámos o conjunto de medidas, anunciei também que hoje iríamos fazer uma reavaliação. A evolução ao longo destas semanas confirma que continuamos a reduzir o número de novos casos por semana e o número de pessoas internadas. Os festejos de Natal têm que decorrer com máximo cuidado”, explicou.

Apesar de as celebrações de Ano Novo terem sido cortadas, António Costa afirmou que não vão ser introduzidas novas restrições para o Natal e deixa um pedido.

“Não introduzimos novas restrições aos dias de Natal, mas pedimos a todas as famílias que se organizem para que o Natal seja partilha de afectos mas não partilha de vírus entre todos nós”, acrescentou António Costa.

Medidas para o Ano Novo e dias 1, 2 e 3 “vão ser aplicadas em todo o país”

As restrições para o Ano Novo e os primeiros três dias de 2021 vão ser aplicadas a todo o território nacional, sem excepções, pois para o Governo estas medidas só serão eficazes se forem aplicadas em todo o país.

“Sobre a noite de Passagem de Ano e as medidas para os dias 1, 2 e 3, estas vão ser aplicadas em todo o país e em todos os concelhos porque vai ser um período onde vai haver muita circulação e os dados que temos serão, seguramente, desactualizados. É preciso compreendermos que o conjunto destas medidas é o que tem permitido ter uma redução significativa do número de novos casos por semana”, esclareceu o primeiro-ministro.

Costa pede que o esforço dos portugueses se mantenha para que todos possam chegar ao Natal de boa saúde e com o Serviço Nacional de Saúde com capacidade de responder aos doentes.