Opinião - Graça Foles Amiguinho
   Publicidade   
   Publicidade   

É verdadeiramente gratificante ver crescer, dia a dia, o desejo de gente Alentejana e de outros pontos do nosso Portugal, poder manifestar, através da Poesia ou da Prosa, o imenso amor à sua terra!

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Uns, porque nela nasceram, e aqui têm as suas raízes, outros, porque descendem de famílias Alentejanas e amam esta planície como sua, também.

Qual tem sido o meu papel neste cenário, incentivando e apoiando novos escritores?

Através das redes sociais, tenho tido oportunidade de conhecer muita gente de valor cultural e que, por razões variadas, nunca pensara na possibilidade de editar um livro, compilar nele os pensamentos escritos e guardados, durante anos.

Porque conheço bem a alegria que tal decisão nos proporciona, sempre que vou descobrindo essas pérolas preciosas guardadas e até, muitas vezes, consideradas pelos seus autores, como coisa sem importância, procuro incentivar, dar a mão com todo o carinho, para que a Literatura Portuguesa fique um bocadinho mais enriquecida com o que cada um, à sua maneira, lhe pode dar.

É desses meus amigos que hoje vos venho falar.

Caminho, de José Eduardo CatalãoO José Eduardo Lopes Catalão é um Elvense que foi meu colega na Escola Industrial e Comercial de Elvas. Há uns anos, encontrámo-nos nesta janelinha do Facebook e convidei-o a participar na Colectânea Raia Luso Espanhola.

Grande e agradável surpresa me estava reservada. Descobri no José Catalão uma beleza de linguagem requintada, erudita, invulgar e uma graciosidade e harmonia, indiscutíveis, na sua poesia.

Novo convite lhe fiz para que entrasse na Colectânea 2021 Cultura Sem Fronteiras, que sairá, brevemente, e de novo fiquei encantada com a sua escrita.

Não podia ficar indiferente e manifestei-lhe a minha opinião, incentivando-o a publicar o seu próprio livro. Não hesitou, e aí está o seu “Caminho” que brevemente verá a luz do sol.

Minha Terra é Santana, de Bento ColaçoOutro amigo virtual, de há muitos anos, familiar de uns familiares meus de Santa Eulália, Bento Colaço, natural de Santana de Cambas, no Baixo Alentejo, vive nos Açores e escreve regularmente poesia, expressando um grande amor à sua terra natal. Já editou um livro, há uns anos, mas estava chegada a hora de eu entrar na sua vida, compilando os seus poemas e ajudando-o a organizar o seu segundo livro, “Minha Terra é Santana”, que será lançado em Julho, na sua Aldeia, onde é muito estimado e será homenageado pelo poder local.

Mas, a minha narração, não fica por aqui.

Mais e boas notícias, vos quero contar!

Histórias e Outras Conversas, de Manuel CalvoO meu amigo virtual, Manuel Alexandre Barbas Calvo, natural de Paço d´Arcos, mas com as suas origens em famílias Elvenses, é um interessante contador de histórias, mas histórias verdadeiras, vivenciadas por ele, no seu dia a dia.

Convidei-o a participar na Colectânea Elvas à Vista e agora, entrou, também, na Colectânea 2021 Cultura sem Fronteiras.

Uma simples abordagem e aí está o primeiro livro do meu amigo Manuel Calvo, “Histórias e Outras Conversas”, pronto para ser editado.

Por último, quero falar-vos da mais recente chegada, até mim, de uma senhora de S. Romão, Vila Viçosa, que trabalha em Vila Fernando, uma poetisa popular, herdeira do dom do seu avô materno, Zarique, a Isabel Figueira. Poemas e Reflexões, de Isabel Figueira

Por razões que aqui não vou contar, a Isabel Figueira veio ao meu encontro, por sugestão de uma nossa amiga do Facebook, Fernanda Demétrio e o grande sonho da Isabel está prestes a ser concretizado.

“Poemas e Reflexões” é um belo livro de poesia e incentivo para que ninguém desanime e lute pela realização dos seus sonhos. Nem a doença a impediu de sonhar.

Nunca é Tarde, de Fernanda MoreiraUma outra minha amiga, que não é alentejana, mas sim natural de Gaia, onde vivo, Maria Fernanda Moreira, também sonhou e já tem o seu sonho nas mãos, um livro de poesia “Nunca é Tarde”.

Estas pessoas maravilhosas enchem os meus dias de luz. Fazem-me sentir que ainda sou capaz de ajudar alguém, a ser feliz.

E assim vou cumprindo a minha missão de tornar a Língua Portuguesa mais bonita e florida!

---[ Pub ]---