Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

Opinião de Graça AmiguinhoNeste tempo difícil e no qual procuramos descobrir novas formas de viver, cabe a cada um de nós ter imaginação e força de vontade para encontrar o lado positivo da vida.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Pertenço ao grupo dos mais vulneráveis, pela idade que conto, e como a vida já me ensinou muito e me mostrou muitas situações complicadas, nada me incomoda, nada me perturba a mente, embora sofra, com quem sofre o tormento desta terrível pandemia e tema o futuro de quem amo, em particular.

Estar em casa de perfeita saúde é um bem inestimável, quando tanta gente sofre de pânico e dor física por ter sido atingida pelo maldito vírus, ou por ver os que ama, em sofrimento, sem sequer lhes poder dar conforto ou um simples gesto de carinho.

Compreendo que, muitos de nós, habituados a viver em plena liberdade de movimentos e gostando de passear, nos sintamos ansiosos e com alguma dificuldade em aceitar os conselhos que nos são constantemente dados pela DGS, para que fiquemos em casa e não sejamos os possíveis veículos transportadores desse passageiro indesejável, que está causando a desordem no mundo, sem que ninguém o consiga travar.

Muitas são as oportunidades, durante as 24h de cada dia, em que poderemos descobrir que há dentro de nós, valores desconhecidos, aos quais nunca demos a devida importância.

Essa descoberta poderá ser, para o nosso espírito, uma verdadeira tábua de salvação que nos permitirá encontrar beleza nas pequeníssimas coisas, saber agradecer a Deus, com humildade, o facto de termos pão, fruta, comida quente, quando tantos seres, por esse mundo fora, passam fome ou morrem de fome.

“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo , a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho
“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo, a terra arada, o sol ardente!”, Graça Foles Amiguinho

Quando falo das minhas janelas, não me refiro apenas às janelas da casa onde moro. Dessas janelas, nos dias que correm, pouco ou nada vejo, para além dos carros estacionados, das árvores que continuam sendo sacudidas pelo vento ou pela chuva e que irão florir nesta primavera.

A vizinha do rés-do-chão, uma idosa linda, de cabelinhos brancos, que todos os dias ia para um Centro de Dia e que eu admirava muito a sua agilidade, ao descer da carrinha, de recuas, há muito que não a vejo, certamente, porque o Centro de Dia fechou e ela ficou também em casa.

Os jovens estudantes que via chegar da escola, trazidos de carro, pelos avós, nem a sombra deles, vejo. Naturalmente, para salvaguardarem a vida dos avós, estão em suas casas, muito provavelmente, com os pais, já com trabalho feito, a partir de casa e recebendo aulas pela internet.

As mulheres que gostavam de se juntar em pequenos grupos e via passar, fazendo as suas caminhadas, estão recolhidas, nos seus lares.

Há apenas uma excepção! Um senhor, bem resguardado do frio, que costuma passear pela trela, os seus dois cãezinhos, já velhinhos, continua a passar por aqui, com eles.

Mas, como já dei a entender, eu tenho outras janelas, nas quais me debruço, sem ninguém me ver, mas das quais vejo e oiço o que se passa no mundo inteiro e falo com muitos amigos, reais e virtuais.

Através das janelas do meu computador e do meu televisor, viajo, sem sair do meu lugar, choro com quem chora, sonho com quem sonha com dias melhores, acato os conselhos que me são dados por gente sensata, excluo as informações falsas que me chegam das mais diversas origens, rezo com quem tem a mesma fé e devoção que eu e que acredita que a tempestade passará, o sol voltará a brilhar para todos e muitos aqui ficarão com um desejo enorme de mudar o mundo, torná-lo mais justo e fraternal, menos ganancioso e déspota.

Também, através da janelinha do meu pc, vos escrevo estas notas, uma pequenina gota de esperança, que vos leve um bocadinho de paz e confiança e o desejo enorme de que, tudo aquilo que hoje fica adiado, amanhã nos dê alegrias redobradas, quando nos pudermos reencontrar e com o maior amor do mundo, nos pudermos abraçar!

A todos vós, prezados leitores, desejo o maior de todos os bens -Saúde!