Início Opinião Nuno Pires Obrigado, João Paulo

Obrigado, João Paulo

Embaixador inquestionável da sua terra natal, fervoroso divulgador do nosso património, promotor da nossa cultura enquanto membro fundador da Associação de desenvolvimento pela cultura, vulgo AIAR, elvense dos quatro costados, João Paulo Garrinhas concretiza o sonho de valorizar Elvas com um trabalho meticuloso que certamente será uma referência para os que quiserem saber mais sobre a cidade raiana.

COMPARTILHE
CME
   Publicidade   
   Publicidade   

Não sei que encantos tem Elvas, capaz de apaixonar perdidamente muitos dos seus filhos. Fonte de inspiração, musa que nos instiga à criação, ficou mais rica no passado sábado quando o geógrafo João Paulo Garrinhas apresentou o seu livro “Elvas, geografia de fronteira”.

São mais de trezentas páginas de boa leitura, ordenadas em treze macro temáticas que convido vivamente a que descubram.

Se com a sua obra António Tomás Pires nos permite conhecer a Elvas dos finais do século XIX, as suas vivências, os seus usos e costumes, as suas tradições, João Paulo Garrinhas permitirá às gerações vindouras descobrir a cidade raiana do final do século XX e início deste XXI.

Fruto das reflexões que faz, das questões que o inquietam e da investigação que levou a cabo, João Paulo Garrinhas propõe um diagnóstico à realidade local e regional. Os mais atentos que acompanharam a publicação das suas crónicas no semanário Linhas de Elvas, têm agora a oportunidade de as ver reunidas numa só obra.

Embaixador inquestionável da sua terra natal, fervoroso divulgador do nosso património, promotor da nossa cultura enquanto membro fundador da Associação de desenvolvimento pela cultura, vulgo AIAR, elvense dos quatro costados, João Paulo Garrinhas concretiza o sonho de valorizar Elvas com um trabalho meticuloso que certamente será uma referência para os que quiserem saber mais sobre a cidade raiana.

Nuno Franco Pires
Nuno Franco Pires, escritor

O autor traça um retrato global e detalhado do burgo, da economia ao ordenamento do território, da cultura à Euro cidade, da qual é também grande entusiasta. Reconhecem-no dos dois lados da fronteira por, de há anos a esta parte, se bater ativamente pela defesa da que considera ser a maior arma para a afirmação elvense: a união com Badajoz e Campo Maior.

Homem de convicções, não vira a cara à luta, fá-lo com a força da palavra, pacífico mas determinado.

A sala Publia Hortênsia de Castro voltou a encher-se para saudar a cultura. Mais uma vez foi pequena para os familiares e amigos do autor que quiseram prestigia-lo.

A editá-lo outro elvense, Paulo Lavadinho, depois de o mesmo ter feito com o historiador elvense Rui Jesuíno e a psicóloga Liliana Pilha. Talento não falta por estas bandas, não temos do que nos queixar e felizmente tem vindo a ser reconhecido e divulgado.

Concluo como conclui ao despedir-me do autor no passado sábado: enquanto elvense, obrigado João Paulo. Sucesso e muitas felicidades.

Palavras leva-as o vento.

Artigo anteriorVila medieval de Monsaraz recebe a primeira gala das 7 Maravilhas à Mesa
Próximo artigoO que é a Cleptomania?
Nuno Franco Pires
Nuno Franco Pires, nasceu em Elvas em 1975 e é um alentejano orgulhoso das suas raízes. Gosta de escrever – sempre gostou. Começou por pequenas histórias, onde os amigos de infância eram os protagonistas, passando pelo blog Dualidades (asdualidades.blogspot.com) do qual foi coautor e onde abordava temas que marcavam a actualidade. Cativam-no as relações humanas e a interacção entre as pessoas; é sobre elas que escreve. Tem participado e vários concursos literários tendo ganho uma menção honrosa no prémio Glória Marreiros, organizado pela Câmara Municipal de Portimão, com a novela "Amor entre muralhas" escrita em parceria. Participou na colectânea "Ei-los que partem" da editora Papel d' Arroz e com a chancela da Chiado Editora editou o seu primeiro romance, "Searas ao vento". Colaborou com a TV Guadiana, publicando semanalmente, pequenas histórias da sua autoria e incorpora o painel de tertulianos da rúbrica "Conversas de Barbearia" do blog Três Paixões.