Operação “Via Livre”: 96 condutores detectados a não circular pela via mais à direita

A GNR detectou 96 condutores a não circular pela via mais à direita durante a Operação "Via Livre"

Entre os dias 12 e 14 de Abril, a Guarda Nacional Republicana (GNR), através de militares dos Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito, realizou uma operação de fiscalização rodoviária em todo o Continente, no sentido de evitar a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda, sem que exista tráfego na via mais à direita das auto-estradas e vias reservadas a automóveis e motociclos.

Tal conduta, provoca constrangimentos à segurança rodoviária e à fluidez do tráfego, o que muitas vezes motiva a ocorrência de comportamentos desviantes e o cometimento de outras infracções por parte dos restantes condutores, potenciando as ultrapassagens pela direita ou a redução brusca da velocidade, aumentando assim as possibilidades de ocorrência de acidentes.

Nas 48 horas que durou esta operação, a GNR fiscalizou mais de 11 mil veículos e detectou 3653 contra-ordenações rodoviárias, das quais se destacam:

  • 96 relacionadas com a posição da marcha (não circulação na via mais à direita);
  • 1 638 por excesso de velocidade;
  • 203 por falta de inspecção periódica obrigatória;
  • 145 por anomalias nos sistemas de sinalização e iluminação;
  • 136 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução;
  • 108 por falta ou incorrecta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças;
  • 101 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório.

Neste período foram detectados 222 condutores com excesso de álcool, dos quais 97 foram detidos por condução com uma taxa de álcool superior a 1,2g/l e 33 por falta de habilitação legal para conduzir.

No ambiente rodoviário, a GNR tem dedicado o seu esforço na consciencialização dos demais utentes da via para a não adopção de comportamentos de risco, que constituam uma ameaça para a segurança dos condutores, passageiros e peões, procurando assim reduzir os índices de sinistralidade.