Zurbarán
   Publicidade   
   Publicidade   

Opinião de Risoleta C Pinto Pedro

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Se há espaços onde me sinta bem são os museus, alguns em particular. Neste momento, em que os museus reabrem com algumas cautelas e restrições, as condições estão reunidas para a observação contemplativa. Contudo, a obra de que falo foi observada antes da pandemia, no Museu Nacional de Arte Antiga. Uma secção cultivada pelo Museu consiste num espaço numa das salas, dedicado à “Obra Convidada”. Trata-se de uma obra que ali é exibida temporariamente, e esta esteve presente entre 20 de Setembro de 2019 e 12 de Janeiro de 2020. Trata-se de um quadro do genial Zurbarán e é proveniente da Livraria do Convento de la Merced de Sevilha, mas é actualmente acolhido pela Academia de San Fernando. Chamou-me a atenção por variadas razões: por ser Zurbarán, que me encanta sempre, quer seja no Museu de Arte Antiga, quer seja no Museu do Prado, em Madrid, ou onde agradavelmente o encontre. É um pintor que cria um silêncio em mim que não sei explicar. A outra razão por que me chamou a atenção, foi o facto de Zurbarán ter nascido em Fuente de Cantos (Badajoz), o que para mim é já ser um bocadinho alentejano, porque no meu imaginário infantil Elvas e Badajoz são irmãs. Por outro lado, o vazio pleno de vibração que dentro de mim sinto quanto contemplo as suas obras austeras e silenciosas, assemelha-se à emoção num dia quente perante a vibração infinita da planície do Alentejo.

A pintura que esteve temporariamente exposta representa Frei Pedro Machado, que, juntamente com a sua confraria, se dedicava ao resgate de cativos. Não consegui colher mais informação sobre ele, mas gostava de o conhecer melhor.

“Canto a minha terra, a minha gente! Este povo que amo , a terra arada, o sol ardente!”, Risoleta C Pinto Pedro
Natural de São Vicente e Ventosa, Risoleta C Pinto Pedro é Escritora nas áreas do romance, novela, conto, poesia, teatro, crónica periodística e radiofónica! É membro do Gabinete de Estudos Agostinho da Silva e do Projecto António Telmo!

A pintura de Zurbarán, pelo menos a mais conhecida, ou aquela que eu conheço, normalmente consiste em retratos individuais de grande porte, talvez um pouco acima do tamanho natural,   que apresentam uma dramaticidade muito espanhola e muito barroca, com frequentes claros escuros.  Sinto-os como se estivessem vivos. Nesta pintura, o teólogo Frei Pedro Machado escreve em pé, em posição não muito cómoda para a escrita, quase premonitório, como quem segura um “tablet”, veste de branco iluminado, e ao lado uma mesinha de apoio coberta de um pano vermelho ostenta um livro. É um intelectual, o seu cenário confirma-o expressivamente. O palco em forma de pintura. O facto de a actividade de escrita se fazer de pé contribui para o espectáculo da representação. O contraste não se faz apenas entre os claros e os escuros, o vermelho e o branco, também a surpreendente juventude das mãos dialoga, dramaticamente, com o branco do escasso cabelo.

ZurbaránComo não posso ir muitas vezes ao Alentejo, os museus compensam-me da ausência do silêncio da planície. Esse silêncio vibra permanentemente nos meus ouvidos, onde quer que me encontre, mas uso alguns truques para o intensificar. Um deles são, como disse, os museus, e neles, Zurbarán, com seus austeros homens da igreja, é nave espacial a transportar-me a um tempo e a um espaço que conheço desde sempre, que podem dizer-me que desapareceu, mas que eu continuo a ouvir com os olhos, a ver com os ouvidos.