Foto: Manuel Martins
   Publicidade   
   Publicidade   

Obra do Século XVI, do período Manuelino, o Pelourinho de Elvas foi levantado na Praça Nova (hoje Praça da República), próximo da entrada da rua dos Sapateiros.

   Pub 
   Pub 

Este não foi o primeiro, mas sim o segundo, pois um outro, um poste de madeira ou uma tosca coluna de pedra, teria sido erigido no Largo do Salvador, a principal Praça do burgo até pelo menos, 1511, por isso aquele largo passou a ser a Praça velha e a que vemos presentemente em frente da Sé, a Praça Nova.

Foto: Manuel Martins
Na actualidade Foto: Manuel Martins

Para embelezamento do sítio, o Pelourinho foi apeado em 1 e 2 de Outubro de 1872, mas, porque a câmara pensou em levantá-lo no largo da Porta do Sol, a população contra esta ideia, deu entrada nos Paços do Concelho uma representação assinada por 204 cidadãos protestando contra tal determinação.

A Câmara indeferiu-o por maioria, pelo que se seguiu um recurso, desta vez com 217 assinaturas para o Concelho do Distrito.

O Povo nunca olhou com bons olhos estes monumentos onde se fazia justiça com muita dureza, tanto assim, que em 26 e 27 de Março de 1852 cortaram-se os varões de ferro do Pelourinho de Elvas, à semelhança do que se fizera noutras terras, a fim de se riscar da memória a sua antiga aplicação.

O certo é que o Pelourinho, só na segunda metade do Séc XX, é que voltou a ser colocado, aproveitando as partes originais guardadas e substituindo as desaparecidas foi reconstruído mas no Largo Dr Santa Clara.