Ministra da Saúde, Marta Temido
Ministra da Saúde, Marta Temido
   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

A ministra da Saúde,Marta Temido, revelou, este sábado, que se prevê que a pandemia do novo coronavírus, em Portugal, atingirá o pico por volta do dia 14 de Abril.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

“De acordo com a evolução do novo coronavírus em Portugal e dos cálculos dos nossos especialistas, estima-se que a data prevista para a ocorrência do pico da doença se situe por volta do dia 14 de Abril data prevista para ocorrência do pico da curva epidemiológica é à volta do dia 14 de Abril”, referiu a governante, na conferência de imprensa de actualização do boletim da Covid-19.

Marta Temido revelou, ainda, que o Ministério instaurará, a partir da próxima quinta-feira, uma nova norma de abordagem à assistência ao doente com Covid-19.

“Há um conjunto de doentes que têm estado a ser tratados no domicílio. Face ao que tem sido o alargamento da expansão geográfica da epidemia e a curva crescente, apesar do abrandamento na inclinação da curva, na próxima semana, a partir de quinta-feira, pretende-se agilizar e reforçar essa possibilidade, garantindo que os doentes são seguidos mesmo no seu domicílio”, afirmou.

A ministra remeteu mais perguntas e esclarecimentos para o momento da divulgação da norma. Contudo, minutos depois, a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, adiantou mais detalhes sobre a medida, que passa pela separação de áreas para doentes infectados com o novo coronavírus e exige “algumas adaptações” por parte das unidades de saúde:

“Em vez de nos concentramos todos em hospitais e serviços de referências, vamos começar logo a fazer uma dicotomia à partida. Quem tem sintomas sugestivos de Covid segue uma linhagem de tratamento e procedimento. Quem não tem segue outra. Vamos ter dois grandes grupos de atendimento.”

Esta medida surge, também, da “responsabilidade de continuar a tratar todos os doentes que não têm Covid”.

“Não vamos deixar os portugueses sem cuidados essenciais no que diz respeito a não-Covid”, afiançou Graça Freitas.