Início Ciência Prémio Nobel da Física para a detecção das ondas gravitacionais

Prémio Nobel da Física para a detecção das ondas gravitacionais

O Nobel da Física de 2017 distinguiu os cientistas Rainer Weiss, Barry C. Barish e Kip S. Thorne pelo seu "contributo decisivo" na detecção e "observação das ondas gravitacionais".

COMPARTILHE
   Publicidade   

Um dos acontecimentos científicos mais empolgantes e importantes dos últimos dois anos foi a detecção, por três vezes, de ondas gravitacionais, comprovando assim a previsão teórica que Einstein fez há mais de cem anos.

Recorde-se que a primeira detecção ocorreu no dia 14 de Setembro de 2015, a segunda a 15 de Junho de 2016 e a terceira a 4 de Janeiro deste ano de 2017.

A possibilidade de se poder detectar ondas gravitacionais abre um espantoso horizonte para melhor compreendermos o Universo em que existimos. Passamos a detectar e a “ouvir” aquilo que não conseguíamos ver!

Por isso o Prémio Nobel da Física deste ano tinha que reconhecer os cientistas que mais contribuíram para este feito.

O Comité Nobel distinguiu o alemão Rainer Weiss, de 85 anos, e os americanos Barry C. Barish, de 81 anos, e Kip S. Thorne, de 77 anos, pelo seu estudo e “observação das ondas gravitacionais”. Um trabalho que permitiu “finalmente a sua captura” e compreensão.

Weiss, Barish e Thorne, em colaboração com um outro cientista, Ron Drever, falecido em 2016, estão na origem do projeto LIGO (Laser Interferometer Gravitationa-wave Observatory, Observatório Interferómetro Laser de Ondas Gravitacionais) que levou à descoberta agora distinguida.

António Piedade
Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva

António Piedade

António Piedade é Bioquímico e Comunicador de Ciência. Publicou mais 500 artigos e crónicas de divulgação científica na imprensa portuguesa e 20 artigos em revistas científicas internacionais. É autor de seis livros de divulgação de ciência: “Íris Científica” (Mar da Palavra, 2005 – Plano Nacional de Leitura),”Caminhos de Ciência” com prefácio de Carlos Fiolhais (Imprensa Universidade de Coimbra, 2011), “Silêncio Prodigioso” (Ed. autor, 2012), “Íris Científica 2” (Ed. autor, 2014), “Diálogos com Ciência” (Ed. autor, 2015) prefaciado por Carlos Fiolhais, “Íris Científica 3” (Ed. autor, 2016).

   Publicidade