Nuno Mocinha, Presidente da Câmara Municipal de Elvas ©Elvasnews
   Publicidade   
   Publicidade   

O Presidente da Câmara Municipal de Elvas, Nuno Mocinha, pronunciou-se esta quarta-feira, 17 de Maio, em conferência de imprensa, sobre dois temas de interesse para o Concelho: o Hospital de Elvas e obras em fase de concurso.

   Publicidade   
   Publicidade   
Nuno Mocinha em conferência de Imprensa
Vitória Branco, Nuno Mocinha, Manuel Valério e Tiago Afonso

O autarca salientou a preocupação que a questão da saúde no Concelho tem merecido, nomeadamente no que ao Hospital de Santa Luzia diz respeito, sobretudo à questão da e reclassificação do seu Serviço de Urgências.

No que respeita à referenciação ela está resolvida “com um despacho do Ministro da Saúde que veio perfeitamente de acordo com os anseios, não só dos elvenses mas também de quem vive no Alandroal, quem vive em Vila Viçosa, em Borba e em Estremoz, disse o autarca.

Nuno Mocinha lembrou que esta “sempre foi uma luta que tiveram todas estas populações” do Distrito de Évora mas também “conjuntamente com outras populações também do Distrito de Portalegre” que também queriam que este momento acontecesse.

“Houve várias promessas, houve vários partidos que assim o prometeram, o que é certo é que este Governo do Partido Socialista aprovou esta possibilidade”, de os utentes escolherem livremente o seu Hospital de referência. O edil resumiu então que se havia dois anseios por parte de quem usufrui do HSL, um deles está cumprido”.

Não querendo puxar a brasa à sua sardinha, o autarca entende que o mérito pertence “aos utentes […] aos profissionais de saúde […]e também a todos aqueles que contribuíram para que esta medida fosse possível” mencionando os seus colegas presidentes de Câmara envolvidos, e o “Comendador Rui Nabeiro que se envolveu através do Coração Delta”.

Quanto à reclassificação da urgência de Básica para Médico-Cirúrgica o autarca afirma que “nós temos que acreditar que conseguimos” pois, em sua opinião, “o Hospital de Elvas tem todas as condições para vir a ser considerado como Médico-Cirúrgico” e garante que “temos que o conseguir como conseguimos esta dupla referenciação na base do diálogo, na base depor os nossos argumentos e na base de que as pessoas compreendam a utilidade desses mesmos serviços”.

Quanto a obras o edil referiu que estão envolvidos 1.640.000 euros em obras que neste momento estão a lançar.

Está lançado a concurso:
– Centro Comunitário do Bairro da Boa-Fé;

– Centro Comunitário do Bairro de Santa Luzia;

– Reservas do Museu de Arte Contemporânea;
– Centro Interpretativo da Sinagoga;

– Ampliação do Centro de Convívio da Raposeira;

– Rotunda no Revoltilho em homenagem à Marinha Portuguesa;

– Rotunda no Centro de Negócios em homenagem aos nossos hortelões;
– Melhoria da acessibilidade à Igreja da Terrugem;

– Construção de dois memoriais: Aos Combatentes do Ultramar e aos Bombeiros;
– Continuar a recuperação do património histórico, neste caso religioso, e procedermos à pintura da Igreja de São Pedro.

Nuno Mocinha, Presidente da CME