20 anos de Portugal no ESO
   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

Completam-se neste sábado, 27 de Junho, vinte anos sobre a assinatura do acordo de adesão de Portugal ao Observatório Europeu do Sul (ESO), a maior organização intergovernamental em Astronomia na Europa e o observatório mais produtivo do mundo. Para celebrar esta adesão e duas décadas de expansão notável da comunidade científica portuguesa e de desenvolvimento da excelência do nosso país ao nível da ciência e da tecnologia nesta área, o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) inicia, já neste sábado, uma série de actividades com um amplo leque de intervenientes.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

Constituído em 1962, o Observatório Europeu do Sul (ESO) é uma organização científica intergovernamental, com o objectivo de promover a cooperação Europeia no domínio da Astronomia e que se destaca pela concepção, construção e operação de observatórios astronómicos terrestres de ponta. A 10 de Julho de 1990 Portugal assinou um acordo de cooperação com o ESO, dando início a um processo de adesão que ficou concluído em Maio de 2001, com a formalização de Portugal como membro de pleno direito desta organização. O acesso aos mais avançados observatórios mundiais colocam Portugal na linha da frente da Astronomia mundial. Graças a parcerias com a indústria nacional, o IA participa na construção de instrumentos para estes observatórios, como o ESPRESSO (VLT), NIRPS (NTT), MOONS (VLT), HIRES (ELT) ou MOSAIC (ELT). Entre 2020 e 2021 comemoram-se 30 anos do acordo de cooperação e 20 anos da adesão de Portugal ao ESO.

Foram inúmeros os benefícios para o nosso país desta adesão ao ESO. A comunidade de investigadores portugueses em Astronomia e Astrofísica cresceu e espalhou-se além fronteiras, os centros de investigação nacionais atraem cada vez mais cientistas de outros países, a produção científica nacional nesta área atingiu níveis de excelência, e cientistas portugueses participam e até lideram projectos internacionais. Igualmente importante, a bandeira portuguesa está associada a instrumentos de vanguarda para os quais contribuíram cientistas, engenheiros e a indústria nacional.

O IA celebra todos estes alcances já neste sábado, dia 27 de Junho, com o evento “20 anos de Portugal no ESO”, uma sessão pública e interactiva online às 21h30 no canal do IA no YouTube. Vários investigadores do IA irão partilhar algumas das inúmeras descobertas possibilitadas pelos telescópios do ESO durante estes vinte anos, mas também pelo observatório ALMA, de que o ESO é membro fundador. A sessão terá ainda um painel de discussão que contará, entre outros, com a participação da Professora Teresa Lago, que contribuiu decisivamente para esta adesão desde 1988, actualmente secretária geral da União Astronómica Internacional (IAU) e membro do IA, de Chiara Manfletti, presidente da Portugal Space, a agência espacial portuguesa, e de Paulo Garcia, delegado Português ao Conselho do ESO.

Este evento será também o momento para partilhar a aventura fascinante que tem sido desenvolver instrumentação astronómica no limite da capacidade tecnológica, nomeadamente pelo IA, de modo a aproveitar a óptica excepcional dos telescópios do ESO. Novos instrumentos estão a ser desenhados, alguns já para o futuro ELT, que será o maior telescópio do mundo, em construção no Chile, e serão pontos de partida para oferecer uma visão para os próximos 20 anos de Portugal nesta organização.

“Ao longo destas últimas décadas, conseguimos reunir talento, fazer crescer equipas, e desenvolver capacidades que nos colocam hoje na definição do panorama astronómico mundial”, afirma o coordenador do IA, José Afonso (IA e Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa – Ciências ULisboa). “A participação de Portugal no ESO é uma história de sucesso que vamos continuar a escrever, e muito para além das próximas duas décadas.”

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço
Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva