Susana-Mendes-Silva-expõe-no-Museu-Nacional-de-Arte-Contemporânea
   Publicidade   
   Publicidade   
   Publicidade   

A Professora do Departamento de Paisagem, Ambiente e Ordenamento da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora (UÉ) apresenta uma nova exposição sublinhando que, “não há silêncio sem o ato de silenciar” e pode ser vista na Rua Capelo, número 13, em Lisboa. Com entrada livre esta exposição integra o programa  «As coisas fundadas no silencia» que teve inicio no passado dia 3 de Março com dois dias de conferências na Culturgest.

   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 
   Pub 

A ideia surge a partir da obra da escritora portuguesa Judith Teixeira (1880-1959), cujo livro “Decadência” foi apreendido e queimado em 1923, no Convento de São Francisco, nas antigas instalações do Governo Civil de Lisboa com entrada pela Rua Capelo, hoje parte integrante do Museu Nacional de Arte Contemporânea.

O livro tinha sido alvo de uma polémica sobre a (i)moralidade da arte, que envolveu também António Botto e Raul Leal. Ainda assim, Judith Teixeira foi directora de uma revista, escreveu um manifesto artístico modernista e publicou mais dois livros de poesia. A tensão erótica e a insubmissão femininas inscritas na sua obra denotam a dimensão da transgressão que protagonizou. Enterrada viva, foi imerecidamente eliminada da memória colectiva e da história literária até recentemente, sem dúvida muito devido ao conteúdo lésbico em vários dos seus poemas, o que faz também da “poeta” um expoente da literatura lésbica e quer portuguesa.

Esta exposição incorpora também duas performances, com data ainda a anunciar, “Tradução #1” com Alda Calvo e “Tradução #2” com Patrícia Carmo, que se debruçam sobre a tradução de um poema de Judith Teixeira para as outras duas línguas oficiais Portuguesas: a Língua Gestual Portuguesa e o Mirandês.

Susana Mendes Silva nasceu em Lisboa, é artista plástica e performer. O seu trabalho integra uma componente de investigação e de prática arquivística, que se traduz em obras cujas referências históricas e políticas se materializam em exposições, acções e performances através dos mais diversos meios de produção. O seu universo contempla e reconfigura contextos sociais diversos sem perder de vista a singularidade do indivíduo.