Volta a Portugal ‘suaviza’ percurso numa 83ª edição de incógnitas

Ciclismo
   Pub   
   Pub   

A inédita ascensão ao Observatório do Parque Eólico de Vila Nova e a incursão em Espanha destacam-se no percurso, hoje apresentado, da 83.ª Volta a Portugal, mais ‘pobre’ em chegadas em alto e ‘refém’ da incógnita W52-FC Porto.

A apresentação tardou, mas o percurso da 83ª edição, que entre 4 e 15 de Agosto vai ligar Lisboa a Gaia, num total de 1.559,7 quilómetros, foi hoje finalmente revelado nos Paços do Concelho de Lisboa, com a prova a expandir fronteiras e ‘abrir-se’ a outro tipo de ciclistas, abdicando da dureza de outros anos, ao prever ‘só’ três chegadas em alto: a Torre aparece logo à terceira etapa, antecedendo a ‘desconhecida’ subida ao ponto mais alto de Miranda do Corvo (5.ª etapa) e a tradicional Senhora da Graça, escalada na véspera do ‘crono’ final.

A organização ‘suavizou’ o traçado – os ciclistas enfrentarão 26 contagens de montanha, menos sete do que no ano passado -, desenhou cinco etapas para ‘sprinters’ e deixou os candidatos à sucessão de Amaro Antunes, o bicampeão em título cuja participação está em dúvida devido à ‘novela’ W52-FC Porto, com menos terreno para fazerem a diferença, já que, além das etapas de montanha e do contra-relógio, só a chegada à Braga, depois da subida ao Sameiro, pode relevar-se complicada.

 Pub 
 Pub 

As primeiras pedaladas do modesto pelotão, novamente desprovido de equipas do WorldTour, mas com os ‘dragões’ entre os inscritos, serão dadas em 4 de Agosto, no curto e explosivo prólogo de apenas 5,4 quilómetros, com partida e chegada à Praça do Império, perto do Centro Cultural de Belém, ‘responsável’ por atribuir a primeira amarela.

A primeira etapa marcará o início de uma viagem por paragens seguramente quentes, ligando Vila Franca de Xira a Elvas, ao longo de 193,5 quilómetros tendencialmente planos, antes do ‘salto’ dos ciclistas para Espanha.

Muito criticada em anos anteriores pela falta de originalidade do percurso, e pela sua excessiva concentração no Norte/Interior, a organização respondeu nesta edição com Badajoz, ponto de partida da segunda tirada, que acabará em Castelo Branco, 181,5 quilómetros depois.

Às duas oportunidades para ‘sprinters’ segue-se a primeira para trepadores: domingo, 07 de Agosto, é de dia de ‘etapa rainha’ da Volta a Portugal, com o ponto mais alto de Portugal continental a ‘coroar’ uma jornada de 159 quilómetros a partir da Sertã, cuja única verdadeira dificuldade é a contagem de categoria especial que coincide com a meta instalada na Torre.

Após o primeiro ‘tira-teimas’ entre favoritos, os homens rápidos têm novamente uma etapa para brilhar, nos 169,1 quilómetros entre a Guarda e Viseu, onde o pelotão descansará em 9 de Agosto, antes de rumar ao centro do país e à ‘surpresa’ desta edição.

Além da chegada ao Observatório do Parque Eólico de Vila Nova, no concelho de Miranda do Corvo ser inédita na história da prova, o final da etapa, que começa na ‘regressada’ Mealhada (há 44 anos que estava ausente) 165,7 quilómetros antes, vai ser exigente e proporcionar uma subida na Serra da Lousã com cerca de 10 quilómetros e uma pendente média de inclinação de 9%, que culmina numa contagem de montanha de primeira categoria.

Seguem-se, em 11 de Agosto, 159,9 quilómetros a rolar, entre Águeda e a Maia, com Santo Tirso a acolher este ano a partida da sétima tirada, que acaba em Braga, passados 150,1 quilómetros, já depois da subida ao Sameiro, uma segunda categoria instalada a menos de 10.000 metros da meta.

Também Viana do Castelo ‘trocou’ de papel nesta edição, acolhendo o início da oitava etapa, que termina em Fafe, decorridos 182,4 quilómetros, com o empedrado inclinado da chegada a poder ser atacado quer por homens rápidos, quer por ‘puncheurs’.

A Senhora da Graça volta a aparecer no percurso na penúltima etapa, em 14 de Agosto, um domingo, com os 174,5 quilómetros a partir de Paredes a prometerem espectáculo: antes da subida final ao ponto mais alto do Monte Farinha, os corredores enfrentam outras duas contagens de primeira categoria, na Serra do Marão e no Barreiro.

Mas, será o contra-relógio do último dia, desenhado nas margens do Douro, entre o Porto e Gaia, no total de 18,6 quilómetros, a decidir o vencedor.